Átomos de violência

3
1448

A CULTURA DA PAZ é um ensinamento dado por todos os grandes luminares da Humanidade. De todos os líderes das religiões, filosofias e linhas esotéricas, tanto do Oriente quanto do Ocidente. A Paz é uma energia que nasce do mais profundo de nossa Alma, e não é uma atitude artificial, baseada em marketing ou desejos superficiais e hipócritas de relacionamento com o próximo (como vemos em muitas passeadas pedindo por “paz nas cidades”).

A Paz, segundo ensinamentos do Mestre Samael Aun Weor, é uma substância que desce de Deus e se instala em nossos corações limpos de toda energia egoica.

No entanto, melhor do que falar sobre a Paz, por enquanto devemos falar sobre o contrário da Paz, que é a Violência.

Esotericamente, existe uma energia dos mundos infernais ligada à Quinta Esfera Dantesca (ou Inferno de Marte). Esta energia pode ser chamada também de Átomos de Violência. Sua aparência é como uma aura vermelho-sangue e, quando atraída por meio de nossos pensamentos e emoções negativos, nos incitam à violência.

Esses Átomos da Violência são atraídos com determinados hábitos nocivos, e, depois de atraídos fixam-se em nosso corpo astral (ou de desejos). Para atrair tais átomos do Inferno (ou Astral Inferior) basta nos fascinarmos e nos identificarmos com certas situações que presenciamos, ao vivo ou pelos meios de comunicação: lutas de MMA, luta livre, boxe, filmes e jogos em que se veem assassinatos, tiroteios, bangue-bangue, estupros e muito mais.

Para ilustrar melhor sobre esse tema, sugerimos que você leia o seguinte artigo, extraído de um jornal paulista de grande circulação. Para o bem de todos os pais e para orientar melhor os educadores e formadores de opinião, estamos divulgando este texto.

Um bandido de nariz arrebitado chuta o rosto de um velho lojista. Então ele acerta um soco no olho da jovem heroína e depois a atinge nas costas com uma pesada barra de metal. Seu corpo despenca no chão enquanto ele permanece sobre ela com uma arma apontada para sua cabeça.

Dois jovens estão em uma briga de socos dentro de um vagão de carga em movimento. Um amigo tenta intervir. Mas um rapaz mais velho e muito respeitado aconselha: deixe que o combate continue. Às vezes, diz ele, amigos precisam se enfrentar com os punhos para fortalecer os laços de amizade. Eles retomam o combate.

Uma garotinha dá um chute de caratê tão forte em outra garotinha, que esta cruza o ar. Ela bate a cabeça em um poste de cimento. Fica desacordada.

Cenas dos mais recentes filmes ou videogames proibidos para menores? Na verdade, são sequências extraídas de uma série de programas de televisão com animação estilo japonês que agora enchem a programação infantojuvenil.

O sucesso da série Pokémon promoveu o gênero há alguns anos, e os demais elevaram as apostas em termos de violência. Os programas atendem à necessidade de programação de baixo custo, assim como o crescente interesse em vender produtos e programas para os meninos que cresceram com videogames e controle remoto. A maioria dos programas é importada diretamente do Japão, onde a tolerância do público para sangue e tripas na tevê tradicionalmente é muito maior do que nos Estados Unidos.

A proliferação deles ocorre apesar das ameaças do Congresso de tentar limitar a exposição das crianças à violência na mídia por meio de legislação específica. Porém, diferente de antigos desenhos animados da moda que trouxeram mais violência para as telas de televisão, o crescimento do gênero tem atraído pouca atenção dos pais e de grupos de monitoração.

Pesquisadores e alguns executivos da indústria dizem que isso é resultado de teorias sobre o impacto da violência dos desenhos animados nas crianças, e uma insensibilização geral a ela entre os pais.

Os programas são repletos de ação: a qualquer momento prédios explodem, golpes são desferidos, armas são disparadas, pessoas são decapitadas, personagens morrem, casas são explodidas. O combate pode ser uma constante. Em Dragonball Z, a série japonesa mais popular do Cartoon Network, assistido em média em mais de 1 milhão de lares, vemos um personagem, Cell, imperador maligno que ameaça conquistar a Terra, e que é abordado por um covarde repórter.

Ele golpeia o repórter nas costas, e depois o chuta com tamanha força que o homem voa por sobre o campo indo colidir contra as rochas, presumivelmente morto.

Em um recente episódio de Digimon, a série japonesa de maior sucesso na Fox, um personagem do mal, Apocolymon, ataca os jovens heróis com navalhas. A certa altura, ele usa uma rajada de energia para desintegrar seus corpos.

O estilo dos desenhos japoneses, chamados “anime”, está influenciando os animadores americanos, cujos novos programas geralmente não são menos violentos do que os (e estilisticamente semelhantes aos) importados do Japão.

Batman do Futuro, da WB, produzido nos Estados Unidos mas influenciado pela animação japonesa, possui algumas das cenas de combate mais intensas na programação infantil. Em um episódio, Batman sufoca o vilão com duas metades de um mastro quebrado até ele ficar inconsciente.

A proliferação dos desenhos foi rápida. Até uns anos atrás quase não havia a presença de desenhos japoneses na programação infantil, fora alguns poucos exibidos em canais independentes. Apesar do sucesso dos Power Rangers, um programa da Fox que provocou uma enorme protesto dos pais por causa da violência no início dos anos 90, a tendência geral era pela produção de uma programação mais benigna nos canais e horários infantis.

Agora, a qualquer hora, os desenhos “anime” ocupam a maior parte da programação infantil em canais como a Fox, WB e Cartoon Network, que entraram no mercado infantil nos anos 1990, voltando sua programação para os meninos para se diferenciar das programações de canais como Nickelodeon, ABC e CBS.

Há alguns anos, cerca de uma dúzia de desenhos japoneses passaram a ser exibidos na Fox, WB e Cartoon Network, apesar de que em alguns eles são mais exibidos do que em outros. Por exemplo, a Fox às vezes programa maratonas Digimon nas manhãs de sábado durante seu bloco de desenhos. A WB chega a exibir três episódios seguidos de Pokémon também nas manhãs de sábado.

Pokémon, inspirado no videogame da Nintendo, é considerado o maior responsável pela explosão do gênero. Lançado nos EUA pela produtora e distribuidora 4Kids Entertainment em 1998, ele imediatamente passou a ocupar o primeiro lugar em audiência entre as crianças em canais independentes.

Percebendo seu sucesso em canais independentes, a WB comprou os direitos de licenciamento e começou a exibi-lo em fevereiro de 1999. Ele logo se tornou o campeão de audiência de toda a programação infantil.

Pokémon é repleto de ação, apesar de poder ser, de fato, considerado benigno em comparação com os demais desenhos do gênero, que contêm material que vai de sexo e violência explícitos voltados para adultos até entretenimento adequado para espectadores mais jovens. Mas seu sucesso chamou a atenção dos concorrentes não apenas pela enorme audiência, mas também pelo preço relativamente baixo, uma marca dos desenhos importados do Japão.

Um episódio comum de Pokémon custa em torno de US$ 100 mil; o custo médio de um episódio original de um desenho americano é de cerca de US$ 500 mil. Levando em conta que o mercado publicitário da programação infantil tem estado fraco há mais de um ano – e espera-se que fique ainda pior – tal diferença de preço pesa muito.

Os desenhos japoneses são muito mais baratos porque são animados de forma mais simples do que os desenhos americanos – seu estilo estático exige muito menos desenhos por episódio. Além disso, a maioria dos desenhos japoneses foi produzida para a televisão japonesa, que é quem acaba arcando com o custo inicial de produção.

O baixo custo e a elevada audiência de Pokémon, especialmente entre os meninos, era exatamente o que a WB, a Fox e o Cartoon Network estavam procurando. Os desenhos japoneses não apenas forneceram a audiência necessária, mas também atendeu à necessidade dos anunciantes que esperam vender action figures (bonequinhos) para os meninos – muitos baseados nos próprios desenhos –, além de cereais e guloseimas.

O sucesso dos desenhos japoneses entre os meninos é atribuído por muitos por se espelharem nos videogames japoneses, nos quais os inimigos são derrotados uns após os outros em detalhes gráficos. Por este motivo, a maioria dos desenhos japoneses recebem classificação de impróprios para menores de 7 anos e de conter extrema violência.

“Nós temos de olhar para as crianças de hoje”, disse Joel Andryc, vice-presidente executivo para programação da Fox. “Elas cresceram com videogames, como Sega e PlayStation. E muitos dos jogos com que cresceram são produzidos no Japão. Este é o tipo de animação que desejam.”

Mas Andryc disse acreditar que a Fox exibe uma variedade de programas com outros estilos, além das séries de baixo custo e com ação estilo videogame. A maioria dos programas apresenta combates do bem contra o mal, onde crianças guerreiras movidas pela honra emergem vitoriosas, disse ele. Aqueles que exibem valor e lealdade são geralmente recompensados nas tramas. Aqueles que demonstram ganância e egoísmo são punidos.

“As crianças podem se relacionar com estes personagens”, disse ele. “Elas vêem como alguém pode fortalecer a si mesmo em vários aspectos para enfrentar um monstro e salvar o mundo.”

Ainda assim, o gênero é considerado tão violento pela Nickelodeon que o canal se recusa a exibi-lo. “É mais violência em nome violência do que jamais vi”, disse Cyma Zarghami, vice-presidente-executiva e gerente geral da Nickelodeon. Considerando a quantidade de lutas que os novos desenhos possuem, eles surpreendentemente recebem poucas críticas dos grupos de pais.

Amy Aidman, diretora do Centro para Educação na Mídia, um grupo de pesquisa e defesa da infância, disse que um dos motivos poderia ser que as noções gerais de violência na televisão mudaram, de oposição absoluta a todo tipo de luta para uma compreensão de que há diferentes mensagens em tipos diferentes de lutas – e nem todas são ruins. “Nem toda a violência é igual, e nem todas as lutas são iguais”, disse ela.

“Você precisa separar as coisas. Quem são os heróis? O comportamento agressivo está sendo reforçado?” Apesar de Pokémon estar repleto de lutas, disse ela, a série também oferece para as crianças uma trama de fortalecimento – os heróis geralmente saem vencendo e quando isto não acontece, eles perseveram e se esforçam para conseguir isto na próxima vez.

Outros se perguntam se a tolerância à violência no país aumentou desde o início dos anos 1990, quando os Power Rangers provocaram enormes protestos de grupos de pais. “Os pais estão insensibilizados”, disse George Gerbner, decano emérito da Escola de Comunicação Annenberg da Universidade da Pensilvânia. “Eles já estão acostumados à violência – eles próprios cresceram com ela.”

Não há um acordo dentro da indústria da televisão se o anime, assim como ocorreu com os Power Rangers, perderá popularidade ou veio para ficar na programação infantil. A maioria das pessoas disse esperar que a tendência diminua pelo menos um pouco. Jon Mandel, codiretor administrativo da MediaCom, um grupo de serviços de mídia de propriedade da Grey Global Group, e um antigo observador das tendências da programação infantil, disse achar que a moda do anime está na metade do seu ciclo de vida.

“É um daqueles cenários clássicos onde o garoto mais popular da escola gosta de algo e as demais crianças o imitam, da mesma forma que ocorre entre os responsáveis pela programação da televisão”, disse ele. “Mas chega um ponto em que até o tipo Nerd adota a moda, e então os garotos populares precisam mudar para outra coisa.”

Para complementar este texto investigativo, sugerimos a leitura dos textos A Paz e A-Himsa – A Não-Violência, do Mestre Samael, para compreendermos mais e melhor a ideia de violência e paz.

Editor deste texto: A. M. Onaissi

Para acessar o texto sobre A-Himsa, Clique Aqui!

  • Thiago Santo

    As musicas ao menos São bem bonitas :

    Reluz o luar e as estrelas
    Brilha o amor por onde você for
    O fogo aquece o frio
    E acende o meu coração

    É você que me conduz
    Minha Guerra, Minha Paz
    O abrigo da alma e a coragem que faz
    Nosso sonho se realizar

    Vamos lutar, juntos nada pode nos deter
    O amor é fonte do nosso poder
    E acreditar que o novo dia vai amanhecer
    Recriando a luz do Sol, só pra nos aquecer

    • Realmente. Mas de que adianta música linda se o que vemos não é tão lindo assim?

      • Thiago Santos

        Tem toda razão Paz Inverencial.