A separação interior

A separação interior

- emPsicologia Gnóstica
2388
Comentários desativados em A separação interior

A pessoa tem de aprender a produzir a separação de si mesmo, a separação de todas as coisas: aprender a não se identificar com os sucessos, com os acontecimentos, com os eventos, com as coisas.

A identificação absorve, vampiriza a consciência da pessoa e a submerge mais profundamente no sonho.

De forma que necessitamos que nossa consciência desperte, o qual é possível fazendo a separação entre nós e as coisas, entre nós e os eventos ou sonhos.

auto-observacao1-gnosisonlineEm estado de alerta-percepção ou de alerta-novidade, podemos verificar diretamente que os defeitos escondidos afloram espontaneamente.

É claro que cada defeito descoberto na “escola” da vida prática deve ser trabalhado conscientemente, com o propósito de separá-lo de nossa psique.

Se ficamos sobre uma tábua e desejamos levantá-la para colocá-la arrimada em una parede, seria impossível esse trabalho enquanto continuarmos parados sobre ela.

Obviamente, devemos começar por separar a tábua de si mesmos, retirando-nos da mesma, para logo levantar a tábua com nossas mãos e colocá-la recostada no muro.

De maneira similar, não devemos nos identificar com nenhum “agregado psíquico”, se é que de verdade desejamos separá-lo de nossa psique.

Quem sempre se crê “uno” nunca será capaz de se separar de seus próprios “elementos indesejáveis”, pois considerará cada pensamento, sentimento, desejo, paixão, afeto, como funcionalismos diferentes e imodificáveis de sua própria natureza, e até se justificará dizendo que tais ou quais defeitos pessoais “são de caráter hereditário”.

Com a auto-observação descobrimos a multiplicidade do Ego
Com a auto-observação descobrimos a multiplicidade do Ego

Mas quem aceita a “doutrina dos muitos eus” compreende à base de observação que cada desejo, cada pensamento, ação, paixão, corresponde a este ou outro Eu distinto, diferente.

Qualquer “atleta” da auto-observação íntima trabalha muito seriamente dentro de si mesmo e se esforça por “apartar de sua psique” os “elementos indesejáveis” que carrega dentro.

Se a pessoa, de verdade e muito sinceramente, começa a observar-se internamente, acaba dividindo-se em dois: “observador” e “observado”.

Se tal divisão não se produzisse, é evidente que nunca daríamos um passo adiante na senda maravilhosa do Autoconhecimento. Como poderíamos observar a nós mesmos se cometêssemos o erro de não querer nos dividir entre “observador” e “observado”?

Indubitavelmente, quando essa divisão não ocorre, continuamos identificados com todos os processos do “eu pluralizado”. Quem se identifica com todos os processos do “eu pluralizado” é sempre vítima das circunstâncias.

Como poderia modificar circunstâncias aquele que não conhece a si mesmo? Como poderia conhecer a si mesmo quem nunca se observou internamente? De que maneira poderia alguém se auto-observar se não se divide em observador e observado?

auto-observacao2-gnosisonline

Bem, ninguém pode começar a cambiar radicalmente, enquanto não seja capaz de dizer “este desejo é um eu animal que devo eliminar”, “este pensamento egoísta é outro eu que me atormenta e que necessito desintegrar”, “este sentimento que fere meu coração é um eu intruso que necessito reduzir a poeira cósmica”…

Naturalmente, isso é impossível para quem nunca se dividiu entre observador e observado. Quem toma todos os seus processos psicológicos como funcionalismos de um eu único, individual e permanente se encontra tão identificado com todos os seus erros, os tem tão unidos a si mesmo que perdeu a capacidade para separá-los de sua psique.

Obviamente, pessoas assim jamais podem mudar radicalmente… são pessoas condenadas ao mais rotundo fracasso.

Samael Aun Weor

Posts relacionados

Confira também

Importância esotérica do cerebelo

O Cerebelo, para o VM Samael Aun Weor