Leonardo da Vinci e a imaginação

0
746

Leonardo teve de se inspirar em vários livros gnósticos ao fazer seus escritos ou suas obras pictóricas. Existem muitos exemplos. Eis alguns exemplos de sua severa concepção acerca da raça humana: “O homem é o mais malvado dos animais”, “o homem é um monstro cruel”, “o homem é um receptáculo de vilania, um aglomerado da maior ingratidão e depósito de todos os vícios”, “a ignorância é como a ferrugem que corrói o aço”, ou “os ignorantes são sacos de excremento e piores que os animais”.

Essas frases impiedosas fazem você pensar em sua Alegoria do espelho do sol: um homem sentado segura um espelho que reflete os raios do sol. Estes iluminam a luta de um grupo de animais (dois leões, um dragão alado, um unicórnio, um lobo e um javali) localizados em frente. Ele talvez queira “dar-lhes luz” (no sentido literal da palavra) ou mantê-los afastados.

Veja a esse respeito o Livro de Tomé: “Eu realmente não os considero como homens, mas como animais. Pois assim como os animais se devoram uns aos outros, os homens desta classe também se devoram”. Essas expressões, como “os homens são piores que os animais”, ou sua Alegoria do espelho solar, não nos fazem pensar neste livro gnóstico? Quanto à Luz, como epítome desse conhecimento oculto de origem gnóstica, Leonardo escreve: “A ignorância cega nos engana e nos faz gozar o resultado de seus jogos lascivos.

Porque ele não conhece a verdadeira Luz. Porque ele não sabe o que é a verdadeira Luz. O vão esplendor nos afasta do poder do SER… Eis! Por causa de seu vão esplendor vamos ao fogo, para que a ignorância cega nos engane… Ó malditos mortais, abram os olhos!”

Compare novamente com o Livro de Tomé: “Sempre que os eleitos abandonarem a bestialidade, então a Luz aparecerá em sua presença”. Ou: “Quem busca a verdade na Verdadeira sabedoria ganhará asas para escapar do ataque da voluptuosidade”.

Tanto nos evangelhos gnósticos quanto nos canônicos, a Luz expressa uma ideia muito poderosa: a do Conhecimento (Gnose) ou sabedoria das coisas ocultas: “Não há nada oculto que não acabe sendo manifesto e nada oculto que possa ser mantido sem ser revelado”. (Evangelho de Tomé, 6)

E o que o Venerável Mestre Samael ensina sobre o grande Iniciado Artista Leonardo da Vinci e sua principal Obra, Mona Lisa (ou Gioconda)? Eis o ensinamento sublime de Samael:

Comecemos com a escala mais grosseira, a escala mais baixa, a da Imaginação; depois continue com a da Inspiração, antes de entrar no reino da Intuição. O exercício que lhes dei para a imaginação é simples, também lhe dei um mantra (ISIS), também expliquei a meditação, como usar a Imaginação, como desenvolvê-la.

Existem dois tipos de imaginação: existe a imaginação mecânica e existe a imaginação consciente. A imaginação mecânica é inútil, é fantasia, e a fantasia é feita de restos de memória, portanto, é inútil.

É necessária Imaginação consciente, Imaginação ativa, Imaginação intencional. Esse tipo de Imaginação desenvolvida será ótimo, sublime. Esse tipo de Imaginação, desenvolvida, permitiu a Leonardo da Vinci capturar em tela a Gioconda, que, entre parênteses, muito se tem falado sobre a Gioconda.

Alguns supõem que ela era a namorada de Leonardo da Vinci, aqueles que pensam assim estão errados. Quando se olha para a Gioconda, e convido você a refletir sobre isso, observe a pintura da Gioconda, não há nada de namoro nela, nada de semelhante aparece nela.

Os grandes artistas iniciados usavam o poder da Imaginação Criadora para se conectarem às Dimensões Superiores da Natureza

É uma pintura sublime, olha-se e sente-se um êxtase, algo no coração, muito diferente das emoções inferiores. Sente-se algo sublime, como se estivéssemos face a face com uma divindade ou um anjo. Na Gioconda não há nada de voluptuosidade, erotismo, coqueteria ou qualquer coisa que possa se assemelhar a algo humano, não há nada disso nela. Vocês precisam ser intuitivos para entenderem o que é a Gioconda.

A Gioconda é a representação da própria Mãe Divina de Da Vinci

Leonardo da Vinci, no translúcido, capturou a imagem da Gioconda. Mas o que ele captura não é uma imagem fantástica, ele captura sua própria Mãe Divina Kundalini, e é esta que ele pinta na tela de linho… é a sua Mãe Divina.

Em que me baseio para lhes dizer que a Mona Lisa é a Divina Mãe Kundalini de Leonardo da Vinci? Eu me baseio no fato de que sou alquimista e trabalho com isso. Se vocês olharem para a pintura, verão dois caminhos em ambos os lados da figura central. Um desses caminhos é em espiral, o da esquerda, e vai até a água. O outro é um caminho mais longo e em vez de ir para a água entra na floresta. Essa é a chave, quem entende o que são os dois caminhos sabe muito bem que Leonardo da Vinci pintou sua Divina Mãe Kundalini.

(Conferência O Caminho da Iniciação)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.