Hinos essênios

5
6286

HINO XIV (COL. XII – 33)

– Dou-te graças, Senhor, Porque, Para que a verdade eu a conhecesse, Mestre tu me foste.

27 – Maravilhosos mistérios tens,
Conhecê-los fizeste-me.
Um deles – o inclinar-se para o homem frágil
A tua bondade forte.
E ainda: assombrosa, a tua pródiga misericórdia
Para os que, perverso, seu coração guardar o ousam.

28 Quem como tu, Senhor, entre os mais deuses, o veraz? Justificado diante de ti, Quem o sairá, quando ao teu julgamento? Ninguém há que

29 – Ao juízo teu respondê-lo possa.
Glória humana face à tua sopro o é, apenas.
Resistir poderá nenhum poder
Á tua ira santa, tentando o mesmo atenuar uma falha
Contra o erro.

30 – Filhos o são todos da irrevogável verdade.
E, somente por teu perdão,
Salvadora âncora imersa à tua oceânica bondade,
Admitidos sê-lo-ão todos à tua presença,
Purificação havendo-te merecido de todo o pecado.
E isto, apenas,
Pelo imensurável em que se dilata a tua misericórdia.

31 – Assim procedes,
Para, dignos de ti, e, pelos séculos sem fim,
Teus filhos se mostrarem à tua imaculada Presença.
Lá onde, eterno Deus, tens a tua Morada.
Para onde, abertos, muitos o são os caminhos.
Fora de ti, ninguém caminhara.
Que, em sua fragilidade, o é o homem?
Um sopro, apenas.

33 – E,
Se lhes não ensinares tu,
Como tuas obras maravilhosas compreender esse homem?

17 – Habitações e exageros
Tua firme determinação não moram.
Para sempre,
Os que mira do teu amor o são,
Permanecerão em tua presença.
Os que pela senda do teu coração caminham.

18 – Mingua da tua caridade sofrê-la-ão jamais.
Levantar-me-ei para defrontar os que conculcar-me tratam.
Eu, por certo, que somente em ti me apoio.
Contra os que me escarnecem,
Levantar-se-á minha mão.

19 – Porque admiti-lo não queriam
Teu poder em mim se manifestasse.
Sem dúvida que, intensamente, e, através de mim,
Tua luz deixar-se-á ver.
E rostos não se pejarão os daqueles que,
Meu chamamento seguindo,
À tua Aliança se afiliaram.
Pelo caminho do teu coração,
Avançam os que me obedecem,
Tomando, por isto, o seu lugar na Assembleia dos Santos.
À causa desses, decisivo triunfo dar-lhe-ás.
O aparecimento da verdade,
Através da insofismável caridade, fá-lo-ás.
Aos réprobos não permitirás que os
Fiéis ao teu jugo, desencaminhados o sejam por eles.

22 – Meio ao teu povo,
A desconfiança contra os mesmos infundirás,
Quando, em teu desamor, fazê-lo tramem.
E, para arrasar os transgressores de tua palavra,
Como instrumentos de destruição sobre todo país,
Usá-los-ás.

HINO XVIII (COL. IX 37 X, 12)

Graças, Senhor,
Porque, sobre mim, por incontáveis pertinácias,
Tua força provaste-me.
X, 1 … em teu coração.
Além do teu querer, nada sucede.
Da profundeza dos teus desejos ninguém se intui.
Pois, que é o homem? Nada!
Bocado de 4 argila, pó que ao pó retomará.
E como sobre tuas maravilhas
Instruído sê-lo, merecer podê-lo-ia?
Como, assim tão desintuído,
Conhecer, a fundo, teus segredos?
Eu, pó e cinza,
Que cousa, além dos teus desejos, intentá-la posso?
Que diferente expressão,
Meu pensamento, para incontestável sê-lo,
Alcança, comparando-a a teus ditados únicos?
Como, senão com tua força,
Posso eu colher, através das minhas hastes,
E para o Supremo Toureador,
O meu bravio touro?
Como posso eu remover-me obstáculos íntimos,
Se meu ouvido interior
Entender não sabe teus indispensáveis cochilos?
Se tu não és quem meus lábios compulsa,
O que, inutilidade o não seja?
Se obséquio me não fazes da tua pujança,
Dizer podê-lo-ei
Como, convincentemente, responderei o diálogo que me
propões?
8-Tu, de todos os deuses o maior, das supremas diligências, o Rei, De todo espírito, Senhor, De toda criatura, dono único?
9 – Sem ti, nada se realizou.
Sem que tu apontado o houvesses,
Nada se conheceu,
Pois, fora de ti, nada existe.
Forte ninguém o é ante a força que potências.
Tudo falece ante tua glória.
Toda medida superada o é,
Pois a ultrapassa teu poder.
Ante o maravilhoso que tuas obras ilumina,
Quem, sobranceiro, levantar-se pode?
E, quanto à tua inviolabilidade,
Quem, sob teu intocável Selo,
Pretensão terá de resisti-la?

12 – Afinal,
Que é o que ao pó já se tomando está,
Para, em seu aniquilamento, tua força querer prová-la ainda?
Que, se as cousas todas criaste,
Apenas para que das mesmas,
Tua plenitude transbordada o fosse? …

HINO XIX (COL. X, 14 a XI, 2)

14 – Bendito o sejas, Senhor Deus de misericórdia, Porque, rico em benevolência,
Conhecer fizeste-me tudo.
15-Dia e noite,
Calar não se deve tua maravilha.
16 – Em teu regaço de amor
Acolhida se sente minha alma.

17 – A todo instante, em tua força apoio-me.
18 – Nada sem teu querer se faz…
Titubeio o não há, se, minha, é a tua clarividência.
19 – Sucesso não sei que ao teu conhecimento escape.
20 – Identificado sinto-me com tua verdade. Meu conhecimento, intimam ente, levar-se deixa Pelo teu esplendor.
21 – E os infinitos prodígios que,
Desenrolando o pano da tua bondade,
Assombrosamente desfraldam a bandeira da tua misericórdia,
Narrá-los saberei
Como, em tua luz, os entendo.

22 – Até pousar-se em minha esperança,
Consolador, sabe-me o teu perdão.
Em tua forja meteste-me
E, nela, forma deste-me.

23 – Pela ganância cobiçosa Atraído sê-lo não posso, Assim como pernicioso abrigo Do segredo que move o instinto carnal.

24 – Espichando o pescoço,
O poderoso grupo dos prepotentes
Olho abre que, desdenhoso,
Nos outros mira a abundância de seu grão,
De seu vinho,
De seu azeite,
25 – De seus gados,
De seus depósitos.
Como a árvore, a seus extensos ramos,

26 – Desdobrada sombra de verde folhagem
Que o caminho das águas abeira,
Em troca da riqueza a outrem por tua mão doada,
À margem da vida me deixaste,
Arvore, todavia, a seu préstimo,
Fruto de vida, para os filhos de Adão, criando
E, através das tuas raízes, fruto abundantemente nutrido à
Milagrosa linfa.

27 – Aos teus filhos, imagem do teu ser, Conhecimento, para sempre, lhes deste. E, segundo essa doação, Honrados hão de sê-lo,

28 – Um mais que os outros,
Sendo isto característico à herança dos filhos de Adão, Que, variamente multiplicada,
29 – Quando a conhecimento mais profundo renascida, Mais honrada o é.
30 – Gerações injustas
Detesta-as teu servo
E quanto a posição tomar entre malévolos obstinados,
Não se compraz meu coração.
Do teu pacto e da tua verdade,
Eis do que exulta meu espírito.

31 – Então, delícias,
Como um vaso em água fresca,
Cobrem meu ser.
Como um lírio, floresço:
A flor que dá meu coração,
Junto à eterna fonte, aberta.

32 – No alto, pompeia, da minha salvação,
Minha ilibada corola.
Vãos frutos dão os soberbos.
Desde que, para ostentá-los, deixaram de ser flor, Vazios, sempre, o estiveram…

33 – Como o trovejar,
A seu tremendo eco pelos barrancos,
Foi-me também, ao frêmito do pavor,
O desgarrar-se-me dos sentimentos.
E, do insufocável gemido em que bramei,
Em dor, cimbrado meu coração.

34 – Propagou-se o terrível som
Até as do Sheol
E, ao temer teu juízo, Era desse fundamento que eu temia.

35 – Teu processo a sobrevir sobre os grandes, Como sobre os poderosos santos (lá de cima)

36 – O teu mesmo irrevogável juízo Sobre todas tuas obras de justiça.

XI, 1 – Devido ao medo…
A aflição cresce-me… (detenho-me)
2 – Na meditação do teu espírito.

HINO XX (COL. XI, 3 – 14)

3 – Dou-te graças, meu Deus,
Pois vil boneco de barro o sendo eu,
Maravilhas obrado-as tens com tua criatura!
O poder do teu braço,
Sempre mais e mais,
Nela o manifestas.

4 – E, afinal, quem sou eu,
Para que segredos teus te ponhas a revelar-mos?
Inteligência de tuas obras maravilhosas,
A seu transcendente ver por dentro, o mundo por ti criado.
Tu ma deste.
Meus lábios abres, pois, em teus louvores.
Teu elogio à minha língua nascendo para a expressão
de meus lábios.
Deliciosamente, pois,
Todo dia,
Contar quero do teu poder.
Meditar quero sobre tua misericórdia.
Teu nome sempre bendizê-lo-ei.
Aos filhos de Adão tuas grandezas desvendá-las-ei.

7 – Na riqueza da tua bondade, se compraz minha alma.
Bem sei que,
Eternamente, a pronúncia faz de teus lábios a mesma Palavra
A mesma justiça (o gesto) de tua mão constante.
E teu pensamento a todo conhecido se dilata.
A energia de tudo que existe
Riqueza é encerrada em teu vigor.
Quando, da tua cólera, resplandece tua glória.
Em luz dos teus juízos,
Castigos sentenciando ao circunstancial, duro instante
Que tua ira incende.
9 – (Como também) da tua bondade,
Em sua feliz dilatação,

HINO XIX (COL. X, 14 a XI, 2)

14 -Bendito o sejas, Senhor Deus de misericórdia, Porque, rico em benevolência,
Conhecer fizeste-me tudo.
15 – Dia e noite,
Calar não se deve tua maravilha.
16 – Em teu regaço de amor
Acolhida se sente minha alma.
17 – A todo instante, em tua força apoio-me.
18 – Nada sem teu querer se faz…
Titubeio o não há, se, minha, é a tua clarividência.
19 – Sucesso não sei que ao teu conhecimento escape.
20 – Identificado sinto-me com tua verdade. Meu conhecimento, intimamente, levar-se deixa Pelo teu esplendor.
21 – E os infinitos prodígios que,
Desenrolando o pano da tua bondade,
Assombrosamente desfraldam a bandeira da tua misericórdia,
Narrá-los saberei
Como, em tua luz, os entendo.
22 -Até pousar-se em minha esperança,
Consolador, sabe-me o teu perdão.
Em tua forja meteste-me
E, nela, forma deste-me.
23 -Pela ganância cobiçosa Atraído sê-lo não posso, Assim como pernicioso abrigo
Do segredo que move o instinto carnal.
24 -Espichando o pescoço,
O poderoso grupo dos prepotentes

HINO XXVIII

(COL. XV, 9 – 26)

9 – Com toda alma,
De todo coração,
Em absoluta entrega do meu ser,
Amar-te-ei, a cada viagem do sol. meus dias contando…
Meu coração purifiquei-o… para.., amar-te,

11 – Para solidarizar-me aos “muitos” (rabim)
E, com eles, teus decretos abandonar jamais.
Como isolar-me de tudo que, havendo-o tu condenado,
Com o selo da tua ordem, o lacraste?
Decidi-me e, para sempre.
Quem, por si mesmo, purificar não pode seus
Caminhos, outrossim, seus passos consolidar?
Eu, de mim, o sei e só pelo esclarecer de tuas Luzes.
Sei que em tua mão pousa o destino de cada espírito.
Como sei que cada um de seus passos,
Antes de criado haveres o senhor de seus pés,
Tu o determinaste.
À feição de que mudar podê-lo-ia alguém tua palavra?
Tu o (15) justo o criaste.
Da profundeza do teu seio, o confirmaste.
Para que,
Conforme o teu beneplácito no âmbito do teu pacto,
Pelas tuas sendas se encaminhasse ele,
Isto estabeleceste.
Misericórdia dele ter o quiseste.

16 – Eterna salvação dar-Lha o (dispuseste)
Surpreendente efeito à riqueza da tua misericórdia obtido.
De toda angústia o (livraste)
E perfeita paz providenciaste-lhe.
Corpo seu, para a glória, surgir o fizeste.
Em troca, os ímpios à ira destinado os houveste.
E para seu justo extermínio
Desde sua concepção no materno seio,

Assinalou-os teu desígnio.
18 – Porque, pelo meu caminho andando,
Teu pacto o desprezam.
Tua Lei abominam-na.
Prazer jamais o acharam ao que ordenado o havias.
E, inconcebivelmente,
O que aborreces, justo elegeram.
Levá-lo devem agora sobre si o peso dos teus justos juízos.

20 – Aos olhos de toda criatura,
Para todas gerações eternas, ostentá-lo devem teu signo.
A fim de que tua glória todos a conheçam.
Como 21 tua grandiosa força,
Para quem conhecer pretende teus mistérios,
Que vale a carne?
Pó o sendo, como consolidá-los podê-lo-ão seus passos?

22 – Tu que o espírito formaste (sua atividade)
Também a vigias.
O caminho de todo vivente de ti procede.
Comparável à tua verdade,
Riqueza sei que não há. Tua Santidade.
Bem sei a quem entre os escolhidos eleges.
O povo desse constituído é que, para sempre, te servirá.
Recompensa tu jamais a recebes pelas obras dos maus.
Também dons iníquos os não aceitas.
Porque um Deus verdadeiro eis quem O és.
Toda injustiça destruí-la-ás.
(O mal) Em sua presença
Não mais existirá.
Eu, em convicção, sei que só tua é a justiça.
HINO XXIX

(COL. XVI 2-7)

(Dou-te graças, Senhor)
Pois, através do teu espírito santo, Compreender fizeste-me 3 a plenitude da tua bondade. Interpreto da tua síntese universal
– Céus e terra -Que, ao brilho da tua glória, majestosa, tua Criação resplandece.

4 -Teu querer obstina-te em permanente companhia para o homem.
– E essa tua voluntária e desprendida entrega, Para sempre, durará.
5 – Um lugar ao homem adequado,
Para que conservar-se o possa ele firme em teus juízos, Tu lho assinalaste.
6 – Porque todas estas cousas eu as conheço,
Uma lápida proclamo.
6A -Buscar a verdade do teu espírito (o que desejo). Todavia, longe de mim, com isto, dissimular pretendo minhas transgressões.
7 – Como?
Ascendendo-me na luz do teu espírito santo.
Círio, aderindo-me ao brilhante Candelabro da tua Aliança.
Sem ostentação ou inibição.
Meu coração chispeia em amor de teu nome.

HINO XXX

(COL. XVI, 8-19)

8 – Bendito o sejas, Senhor do Universo, o Autor.
Frutescente cerne!
Poderoso em obras.
Teu o multiplicar-se da Criação!
Graças, pois,
Benevolência, comigo, usá-la decidindo-te.
Com a messe de tuas misericórdias, favorecer-me.
E com a riqueza da tua glória.
Só a ti pertence a justiça,
Pois tu és que, em natureza divina, tudo obras.

10 – Quanto a meu cinzidouro,
Purificá-lo trato,
Porque, sobre o espírito justo,
Um sinal sei que o hás posto.
Descarto-me de todo atropelo.
E em teu servo odeio
Toda manifestação da injustiça que infindo o mostre.
Bem sei que, fora de ti, justo ninguém o é.
Então, (apoiado) sobre o espírito que sobre mim derramaste,
Em tua presença, tranquilo, compareço.
Querendo efetuar teus desejos,
Tuas bondades compagino-as.
E faço-o, com o espírito de santidade purificando-me.
De Ti acerco-me,
Em teu beneplácito,
Pela ternura infinita do teu coração atraído.

13 – Comigo… em teu amor.., em tudo aquilo que,
Para os que te amam, escolheste.
Para os que, logrando estar, para sempre, em tua presença,
Teus preceitos observam. 14
(Haverá buscar) teu servo a participação do espírito em
todas suas obras.

15 – … Que, fora da tua Aliança,
O caviloso sua transgressão jamais a escuse.
Pois que 16 glória…
(Senhor) misericordioso (pródigo) em compaixão e perdão.
Aquele que perdoa a iniquidade 1… e indulgência
A demonstra para… os que seus preceitos observam…
Os que, integramente, para servir-te,
De coração se convertem.
E para cumprimento dá-lo ao que,
Diante de teus olhos,
Bom o é.
Teu rosto o não apartes do teu servo
E o filho da tua serva (19) não a (rechaces).
Confiarei, então, em tua palavra.

5 COMENTÁRIOS

  1. os essenios sao seitas que pouco reconhecida na sagrada escritura mais muito divugado nos livros de auto a guda isso eles sao um grupo desconhecido da midia mais reconhecido pelos arquiologos desde comerço e medo dos nossos seculos e milhenos passados isso novas descoberta vai fazer descobri nova façe do cristianismo que vai enriquecendo a sua historia ate hoje.

  2. Os essênios não formavam seitas e sim um grupo unido, efetivo, que mais tarde devido a perseguições se viram obrigados a se dividirem em dois grupos, apens para que sua doutrina não se perdece.

    • Há um pequeno equívoco, André, há na verdade ao menos meia dúzia de relatos de personalidades conhecidas, que são: Fílon, Plínio, Flavio Josefo (o judeu), Solino, Eusébio e Epifânio.
      Afora outros, de cunho mais esotérico, como Samael Aun Weor e Krumm-Heller.

  3. Bendito sejais o senhor do universo, que com sua magnitude se manifesta na mais sublime criaçao: O ser humano. Bendirei o senhor a cada instante,pois o homem na sua ignorancia nao entende que és nada diante de cristo. Exaltarei e me humilharei e reconhecerei o senhor de minha vida e ele me dara conhecimento e conciencia para descernir entre o bem e o mal. Cantarei hinos de alegria e me renderei a cristo senhor que reina,ontem,hoje e sempre. Graças vos dou e promessas me daras, sentirei -me uma pluma neste universo que habito como simples mortal. Bendirei ao criador do universo onde a verdade se resplandecera e me reconhecera como digna de abitar sua casa celeste.

Deixe um comentário para Viviane de paula Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.