domingo, setembro 26, 2021

INFLUÊNCIAS DA LUA SOBRE NÓS, Energética e Psicologicamente

Home Fóruns INFLUÊNCIAS DA LUA SOBRE NÓS, Energética e Psicologicamente

Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Autor
    Posts
  • #29176
    Roit
    Participante

    Postado por Áli

    O POVO DOGON E A GRANDE LUA NEGRA DE NOSSA GALÁXIA

    Na República do Mali, região do antigo Sudão francês, África Ocidental, a 200 quilômetros ao sul da cidade de Timbuktu, um abismo de 300 metros de profundidade formado pelas escarpas Bandiagara é a porta de entrada para a terra dos dogon. Esse antigo e pacífico povo ali se radicou no século XIII e permaneceu isolado até as primeiras décadas do século XX, mantendo intacta e praticamente inalterada sua rica e fantástica cultura. A aridez do meio ambiente – 40 centímetros de chuvas anuais nos meses de abril e maio, e temperaturas de até 60 graus centígrados -, castigado por estar situado justamente na passagem do Saara para as savanas do sul, obrigou-os a construírem engenhosas casas de pedra e barro de forma cônica, cobertas de folhas que ajudam a amenizar o calor escaldante, e pequenos celeiros onde armazenam a escassa produção que o solo pouco generoso fornece: algumas espigas de um tipo especial de milho, de grãos pequenos, cebolas, amendoim, algodão e fumo. Às mulheres cabe a tarefa de buscar água, encontrada somente em poços na base dos penhascos, e carregá-las para cima em potes de barro que, vazios, chegam a pesar 20 quilos.

    Em 1931, o antropólogo francês Marcel Griaule visitou a tribo dos dogon, construída basicamente por camponeses, artistas e feiticeiros, e ficou ao mesmo tempo confuso e fascinado com sua mitologia altamente complexa e intricanda. Em 1946, Griaule retornou em companhia da etnóloga Germanie Dieterlen. Ambos publicaram os resultados dos seus 4 anos de pesquisas de campo na obra “Un système soudanais de Sírius” (Paris, 1951).
    Neste trabalho, frisaram que os dogon, mesmo desprovidos de recursos ópticos, tais como o telescópio, tinham pleno conhecimento da natureza dupla da estrela Sírius: “Jamais se fez e nunca se decidiu a respeito da pergunta, de onde esse povo, que nenhum instrumento possui, poderia conhecer a órbita e os atributos específicos dos astros, praticamente invisíveis”.

    Em 1976, foi lançado em Londres uma obra que acabaria inevitavelmente sendo apropriada pelos defensores da teoria dos ‘deuses astronautas’, mormente, Erich von Däniken (ver o livro Provas de Däniken: deuses, espaçonaves e Terra). “The Syrius Mistery”, do lingüista norte-americano especialista em sânscrito da Universidade da Pensilvânia, em Filadélfia e membro da Royal Atronomical Society, Robert K. G. Temple expunha e analisava mitos que falavam dos habitantes de um planeta que órbita ao redor da estrela de Sírius, os quais teriam aterrissado na Terra em eras remotas, inaugurando a civilização. Segundo Temple, os dados dos dogon, que descenderiam cultural e biologicamente dos egípcios, remontariam a 5.000 anos e fariam parte do cabedal egípcio dos tempos pré-dinásticos.
    Ao desenhar diagramas da órbita de Sírius B, com base em dados tirados dos mitos dogon e seguindo as mais recentes pesquisas astronômicas, Temple constatou que “A semelhança é tamanha e surpreendente, a ponto de até o leigo mais inexperiente reconhecer à primeira vista a perfeita identidade das duas apresentações, até nos menores detalhes. (…) o fato ficou demonstrado e ei-lo: a tribo dogon possui noções gerais dos princípios mais incríveis e sutis de Sírius B e, em sua órbita, de Sírius A. Portanto, revela-se aí absoluta paridade do saber atual em relação com as noções encerradas em mitos antiqüíssimos!”.

    A doutrina secreta dessa tribo informa que o nosso mundo terrestre surgiu da Constelação de Sírius B. Propriamente não de Sírius B, mas de uma estrela pequena e branca, situada próxima dela. Suas lendas e tradições transmitem esta informação de geração em geração há milhares de anos e, durante todo esse tempo, vêm realizando rituais para a estrela que os criou. Os sábios dogon dizem que essa estrela é ao mesmo tempo a menos e a mais pesada do cosmos. Os astrônomos calculam que realmente a sua massa é 36.000 vezes mais pesada que o Sol e 50.000 vezes mais densa do que a da água. Seu diâmetro é de 39.000 quilômetros, mas ela contém a mesma quantidade de matéria de uma estrela normal com um diâmetro de 1.296.000 quilômetros. Uma caixa de fósforos cheia de matéria de Sírios B pesaria no mínimo uma tonelada. Os dogon crêem que a terra ali consiste em algo chamado por eles de sagolu, que significa TERRA PODRE E DE METAL.

    Ocorre que essa estrela só foi descoberta pela ciência no século 19, e uma foto dela só foi possível em 1970. Sírius B pertence à categoria das anãs – implodidas –, descoberta em 1862, não através de observações diretas, mas por meio de cálculos matemáticos. Por estar quase acoplada à irmã Sírius A, uma das estrelas mais visíveis a olho nu, a imagem de Sírius B confunde-se com ela, e só recentemente foi possível distinguir que havia duas estrelas no lugar de uma. Sírius B é mil vezes menos luminosa do que a Sírius A, e totalmente invisível a olho nu. Ela só pode ser vista através de um telescópio de 320 milímetros, já que se encontra há apenas 11 segundos-luz de Sírius A.

    Sem nunca terem se utilizado de instrumentos ópticos, os dogon sabiam da existência de quatro luas em Júpiter. Na verdade, Júpiter possui dezenas de outras – são conhecidas 17 até o momento -, mas as maiores e principais são mesmo quatro: Io, Calixto, Ganímedes e Europa. Além disso, sabiam também que Saturno é rodeado por um anel e que os outros planetas giram ao redor do Sol, e afirmavam que os mundos ao redor das estrelas que se movimentam em forma espiral (como a Via Láctea) são universos habitados.

    Os conhecimentos desse povo, que hoje ultrapassam pouco mais de duzentos mil indivíduos, não se limitam, contudo, a astronomia. Eles sempre souberam da função do oxigênio do corpo e da circulação do sangue, coisas que a ciência ocidental só descobriu em tempos modernos. Os dogon diziam que o movimento das estrelas podia ser comparado ao fluxo do sangue no organismo, denotando que estavam cientes da circulação sangüínea, fenômeno descoberto apenas no começo do século XVII por William Harvey. Eles reconheciam ainda a função do oxigênio nesse processo, cientes de que o sangue no corpo corre pelos órgãos que se encontram no ventre.

    (Cont.)

    nubia Postado em Jul 29 2004, 08:02 PM

    Newbie

    Grupo: Validating
    Posts: 0
    Usuário nº: 1
    Registrado em: 5-March 07

    II

    O QUE É A ESTRELA SÍRIUS E QUAL SUA IMPORTÂNCIA
    Sírius, uma das mais maravilhosas estrelas de nosso firmamento, possui sua aparente grande magnitude por causa do simples fato de que ela está a somente 8,7 anos luz da Terra. Ela emite 23 vezes mais luz do que o Sol e é 1,8 vez maior do que ele.

    a história desta luminosa estrela é bastante singular. No antigo Egito, a estrela Sirius era alvo de uma particular veneração e era representada pela Deusa Sothis, ou Isis Sotis, e pelo Deus Hermes Thot. Seu aparecimento no céu coincidia com o momento da cheia do rio Nilo ( aproximadamente 3.000 anos A.C.), no auge do verão, cheia que vinha trazer prosperidade e fertilidade às terras inundadas. Na realidade esta cheia coincide com o auge do verão no hemisfério norte e até hoje, quando um dia está demasiadamente quente, é usada a expressão “Está um calor de cão”. Na antiga Roma, cachorros eram sacrificados em nome dela. O nome “canicula” para indicar um período de grande calor também tem esta derivação.

    Sirius faz parte da Constelação de Canis Major (O Grande Cão) e faz par com a Constelação de Canis Minor (O Pequeno Cão). Os dois cães pertencem e servem o caçador celeste Orion.

    Os astrônomos nos tempo antigos (1.500 A.C.) descreviam Sirius como sendo de luz avermelhada, uma luz mais vermelha do que aquela do planeta Marte. Atualmente a sua luz é absolutamente branca, como pode ser observado a olho nu no hemisfério Norte ao se olhar o céu num determinado período do ano.

    Como pode uma estrela mudar a sua cor num período de somente 1,500 anos? Esta questão não encontrou uma resposta convincente até agora. O estudo das estrelas fixas é ainda uma grande charada para os astrônomos. Pois, apesar das estrelas passarem indubitavelmente através de diferente estágios, as mudanças de cor claramente visíveis de vermelho para branco, segundo as teorias recentes, precisam de centenas de milhares de anos para serem efetuadas, e não somente 1 milênio e meio.

    Talvez a mudança misteriosa da cor de Sirius tenha algo a ver com a estrela companheira de Sírius, já que ela é uma estrela binária. No início de 1844 o astrônomo alemão Friederich Bessel notou que Sirius não se movia no céu de uma forma reta, como as outras estrelas fixas, mas sim seguia um caminho serpenteado. Bessel concluiu que Sirius teria uma companheira invisível cujos efeitos gravitacionais provocavam este comportamento. Foi somente em 1862 que esta companheira, chamada de Sirius B, foi realmente descoberta através de um telescópio e apareceu como um pequeno ponto de luz perto da luminosa Sirius A.

    Na realidade, a descoberta desta segunda estrela, chamada também de Pup Star, apresenta um quebra cabeça para os astrônomos. Com base nos movimentos destas estrelas binárias, eles calcularam que Sirius A deveria ser 2,36 vezes e Sirius B 0,98 mais pesadas do que o Sol. No entanto, como a luz de Sirius B aparecia muito mais fraca que sua irmã maior (apesar de sua superfície ser extremamente quente), ela deveria ser muito menor, isto é, ela teria somente aproximadamente 18 mil milhas (30 mil km) ou aproximadamente duas vezes o diâmetro da Terra. Esta grande quantidade de matéria concentrada num espaço tão pequeno significa que a sua densidade seria muito maior do que se pudesse imaginar. Um centímetro cúbico de matéria feita com Sírius B pesaria mais de 150 quilos. Por isso Sirius B se tornou o primeiro exemplo de um novo tipo de estrela que seria mais tarde descoberta: as estrelas anãs brancas.

    nubia Postado em Jul 30 2004, 01:18 AM

    III.

    Declaração de Samael Aun Weor sobre a terrível Lua Negra de Sírius B:

    Sírius, o Sol dos Sóis da Via Láctea, é uma Estrela Dupla. O Irmão Gêmeo de Sírius é um MUNDO NEGRO de terrível e espantosa densidade.

    A influência vibratória da Estrela Dupla Sírius é muito estranha. Essa radiação é SUPRA-SOLAR e INFRA-LUNAR.

    Por simples dedução lógica podemos dizer que a Dupla Radiação de Sírius influi decididamente sobre todos os SUPRACÉUS e sobre todos os INFRAINFERNOS da Via-Láctea.

    Se bem é certo que Sírius é o Grande Sol da Via-Láctea, também não é menos certo que seu tenebroso Irmão Gêmeo tem uma densidade mais assombrosa que qualquer coisa possa converter-se no obscurissíssimo interior da Lua mais morta.

    A Dupla Estrela Sírius compõe-se de um imenso Sol Radiante, 26 vezes mais brilnate que o nosso, com uma trajetória circular de um período de 50 anos, ao redor de uma Anã Branca do tamanho de Júpiter e 5 mil vezes mais denso que o Chumbo.

    Foi-nos dito que a Via-Láctea gravita ao redor da Dupla Estrela Sírius. Essa Dupla Estrela parece encher de alguma forma a brecha excessiva entre os Cosmos do Sistema Solar e a Via-Láctea.

    A Dupla Estrela Sírius indica uma intensa atividade SOLAR e LUNAR dentro de nossa Galáxia.

    A Dupla Estrela Sírius influi decididamente sobre nós aqui e agora.

    Libertar-se da influência LUNAR é algo espantosamente difícil porém indispensável para se lograr a LIBERAÇÃO.

    A influência LUNAR é DUPLA no MUNDO em que vivimos porque a Terra tem DUAS LUAS.

    nubia Postado em Jul 30 2004, 01:48 AM

    IV.

    Continua o Mestre Samael:

    Ante os telescópios, a Segunda Lua se vê negra e do tamanho de uma lentilha.

    Os Ocultistas deram à Lua Negra o nome de LILITH; esse segundo Satélite Lunar é uma espécie de Oitava Esfera Sumersa, um mundo terrivelmente MALIGNO.

    As VIBRAÇÕES SINISTRAS que vêm da LUA NEGRA originam, na Terra, MONSTRUOSIDADES, ABOMINAÇÕES, CRIMES ESPANTOSOS cheios de repugnante Sadismo, Lxúria inconcebível, Homossexualismo em Grande Escala, Masturbação, Pederastia, Abortos Provocados etc.

    Entre os produtos mais ABOMINÁVEIS de LILITH, é oportuno citar o caso do Conde Drácula, na Rússia.

    Esse personagem de Cinema realmente existiu e HPB o comenta em uma de suas obras.

    Diz a Grande Mestra que dito Conde foi em tempos dos Czares o “Alcaide” de certo povoado russo; odiava mortalmente a sua mulher, pois os VAMPIROS são HOMOSEXUAIS, aborrecem mortalmente o Sexo Oposto.

    Depois de morto, apresentava-se ol Conde Drácula na casa da viúva aborrecida, para açoitá-la violentamente. Certos Sacerdotes Católicos tentaram inutilmente estorvar seus passos. O Conde Drácula os arrojou com sua carruagem na ponte,
    muito próximo do cemitério e à meia-noite.

    Quando foi aberta a Negra e Espantosa Sepultura do Conde Drácula, achou-se seu cadáver vivo muito bem conservado e submergido em sangue humano, pois os vampiros se alimentam de sangue.

    Conta a Grande Mestra HP Blavatsky que os pés do sinistro cadáver estavam cheios de lodo, o que demonstra até à saciedade que à meia-noite ele escapava do Sepulcro.

    O caso do Conde Drácula concluiu quando os Sacerdotes lhe cravaram uma estaca no coração.

    Na Palestina existe uma ordem de Vampiros que se escondem sob o título seguinte: ORDEM DOS IMORTAIS GUARDIÃES DO SANTO SEPULCRO”.

    Os Vampiros são o resultado do Homossexualismo combinado com Tantrismo entre pessoas do mesmo Sexo (MONSTRUOSIDAD, ABOMINAÇÃO ESPANTOSA).

    A Dupla Influência Lunar no Mundo em que vivemos é terrivelmente mecanicista. É urgente alimentarmo-nos com as Maçãs de Ouro ou de Fréya, e com o Licor do Soma ou o Bíblico Maná para Fabricar os Corpos Solares e libertar-nos das Leis Lunares.

    nubia Postado em Jul 30 2004, 08:34 PM

    V.

    Falamos em textos anteriores da influência da Energia Lunar em toda nossa galáxia Via-Láctea, desde Sírius B passando por todas as centenas de Luas de nosso Sistema Solar, chegando finalmente às duas Luas de nosso planeta Terra. Essas Luas são chamadas esotericamente de Lilith e Nahemah.

    Lilith é a Lua Negra, onde vibram as piores emanações de maldade que se possa ter idéia. E Nahemah é a Lua que vemos todo dia sobre nossa cabeça, no céu, com suas 4 fases e também com seus dois lados (um sempre visível e outro sempre oculto para a Terra).

    Por que a Lua exerce tanta influência em nossa vida? Não é somente pela sua maior aproximação em relação à Terra. Por que será então? A resposta nos é dada pelo Mestre Samael:

    “A Lua é satélite da Terra exclusivamente no que se refere à Mecânica Celeste. Considerando isso de um ponto de vist filosófico, podemos e até enfatizamos a idéia de que a Terra é que é satélite da Lua…

    A Lua nasceu, cresceu, envelheceu e morreu como qualquer mundo do espaço infinito. A Lua foi um planeta vivo no passado Dia Cósmico, então teve abundante vida mineral, vegetal, animal e humana. Ela é a Mãe da Terra e gira incessantemente em torno de sua filha como se fosse de fato um satélite…

    É a Lua, pois, quem represent o papel principal e de maior importância, tanto na formação da própria Terra como no referente a povoá-la com seres humanos.

    Sem dúvida, ao exalar seu último suspiro, a MÃE LUA transferiu para a sua filha, a Terra, todos os seus poderes vitais.” Eis as palavras do VM Samael Aun Weor, tiradas do livro Tempo, Espaço e Consciência.

    Ou seja, nós todos viemos da Lua, fomos e somos alimentados pela Lua, e a Lua aiiinda toma conta de nós e nos influencia ainda hoje, como uma Mãe que não quer abandonar seus filhos assim, de graça, sem mais nem menos. Eis aí porque o mestre Samael, num texto anterior, diz que nos libertarmos das influências lunares é extremamente difícil…

    Vamos conhecer, então, as diversas classes de influências da Lua sobre nós? Em todos os aspectos?

    A Lua possui, como tudo no Universo, 3 aspectos: Positivo, Negativo e Neutro…

    O aspecto positivo podemos chamá-lo de RAIO POSITIVO, e está representado pelas Virtudes, como o Altruísmo, e Poderes Divinos, como a Imaginação Criadora, que a Lua nos incentiva a tê-los em nosso Interior. Esse Raio Positivo lunar está controlado, dirigido e regido pelos Deuses Lunares, especialmente por 3 sagrados seres: Arcanjo Gabriel, Senhor Jeová e Anjo Adonai. Falaremos sobre o Aspecto Positivo Lunar depois, com mais calma.

    O Raio Negativo da Lua induz o ser humano e a natureza em geral aos processos do Egocentrismo, da Supremacia do Eu, da Entropia, da Avareza etc. A energia negativa da Lua nos torna lunáticos psicologicamente, nos aprisiona mais e mais dentro da Roda do Samsara, nos faz ficar fascinados pela vida, pelas delícias e/ou desgraças de nosso Destino e, pior de tudo, ADORMECE NOSSA CONSCIÊNCIA. Portanto, meus amigos e amigas, concluímos que é a Energia Negativa da Lua que adormece nossa consciência, quando permitimos ser levados pelas “circunstâncias” da vida.

    Eis mais exemplos das influências da Lua sobre nossa psique:

    SOCIALMENTE

    + Somos levados a renegar a importância da família (“Esta é uma instituição social falida!);

    + Desprezamos o conceito de Casamento (“Esta TAMBÉM é uma instituição falida!”)

    + Defendemos o uso de preservativos e anticoncepcionais;

    + Achamos que amamentar causa mal à estética da mulher, pode fazer o peito cair, a pele ficar flácida etc.;

    PSICOLOGICAMENTE

    + Somos levados a “pensar” como os outros pensam;

    + Caímos normalmente na Conduta Gregária (agimos movidos por forças que não são de nossa Consciência, com atos que depois que os realizamos nos sentimos mal emocionalmente, culpados, como por exemplo em uma passeata, onde realizamos coisas que nunca imaginamos que realizaríamos sozinhos);

    + Caímos em Fascinação, Identificação e Sono pelos “brilhos” da sociedade, das pessoas do sexo oposto, das vitrines dos shopping centers, dos filmes, da lábia dos políticos etc.;

    + A Energia Lunar do Ego, chamada de Catexis Solta, nos faz ser dispersivos, superficiais, irreverentes, desrespeitosos, irônicos, sarcásticos, egocêntricos etc. (como se vê muitas vezes numa sala de aula, num estádio de futebol, ou em qualquer local com aglomeração de pessoas (exemplo disso é uma sala de aula: um professor está dando sua aula e de repente um dos alunos inicia uma brincadeira e, rapidamente, o restante dos alunos começa a brincar, dispersar a consciência com a bagunça e a dispersão verbal e mental; ou seja, todos se deixaram envolver pela Energia Lunar do Ego, dispersando a Consciência);

    + Vírus Psicológico: Alguém se lembra de ter bocejado quando alguém perto de si bocejou? Alguém já percebeu que num ambiente fechado se um indivíduo boceja, começa uma reação em cadeia interessante, onde se vêem diversas pessoas abrindo a boca ininterruptamente? Pois bem, isso é uma forma de Vírus Psicológico, que são energias lunares densas que saem de uma pessoa por um de seus chacras e infectam os chacras das outras pessoas, de preferência aquelas que estiverem desatentas, inconscientes, adormecidas… Infelizmente, há outros tipos de vírus psicológicos beeeem mais poderosos e daninhos, como os vírus das Fofocas, dos Murmúrios, dos diz-que-disse, do boca a boca, do “ouvi dizer que…”, dos “roaxs” (lendas absurdas espalhadas pela internet) etc. O Mestre Kout-Humi afirma categoricamente que esse tipo de atitude afasta as Hierarquias Divinas de nós.

    nubia Postado em Aug 24 2004, 09:41 PM

    VI.

    A LUA E O PROCESSO DE GESTAÇÃO

    Como já falamos anteriormente, a Lua, como quase todo organismo cósmico, tem 3 atuações no ser humano e na natureza. Uma positiva, uma negativa e outra neutra. Depende de como se polariza isso.

    Os inúmeros fenômenos reprodutivos e multiplicadores da natureza são realizados sob os auspícios e influências das energias lunares: Uma planta floresce e espalha seus pólens; os animais entram no cio e procuram seus parceiros; as mulheres ovulam e sentem mais “tesão” em períodos definidos; a terceira camada testicular dos homens aumenta o número de espermatozóides para a próstata…

    Quando o homem libera os espermatozóides dentro da mulher, um único (ou raramente mais de um, gerando os gêmeos, trigêmeos…) deles consegue alcançar o óvulo e penetrar nele, para que se gere um ovo.

    Visto clarividentemente, esse fenômeno é dirigido por uma inteligência lunar atômica, por um “anjo atômico”, energético. Esse Anjo Lunar Atômico obedece a certas ordens dos Senhores do Karma e escolhe “a dedo” o espermatozóide que mais se encaixa com o processo kármico dos pais e do “Ego Reencarnante”.

    Depois, em outra fase, os processos de Mitose e Meiose dentro do ovo são regidos por outras inteligências atômicas lunares para que naturalmente os genes dirijam o crescimento celular de forma que haja harmonia em todo esse processo. Essa Inteligência faz com que as células cresçam de tal forma que os dois braços sejam do mesmo tamanho, os hemisférios cerebrais tenham funções particulares, os testículos ou ovários tenham funções equilibradas etc.

    Finalmente, há a intervenção de uma terceira Inteligência Atômica que permite uma interação entre o corpo etérico e o futuro corpo físico, para que este último receba os alimentos energéticos que lhe são convenientes…

    Durante a gestação, o corpo da mamãe vai sendo modificado, o sistema respiratório se altera, os ossos, os hormômios, o estado de humor, a fome, as vontades e desejos etc., vão ficando cada vez mais diferentes do “normal”. Isso tudo é influenciado pelos anjos que estão sob a regência do Cristo Gabriel e da Mãe do Mundo.

    É interessante às irmãs gnósticas orarem muito a uma grande mestra da Fraternidade Branca, chamada IMACULADA CONCEPÇÃO, para que as oriente nesse processo sagrado de dar à luz…

Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Você deve fazer login para responder a este tópico.