João Batista, encarnação do profeta Elias

João Batista, encarnação do profeta Elias

- emMestres da Senda
8133
8

Afinal, quem foi João Batista? Que importância seus ensinamentos e vida tiveram ao longo da história? Por que para alguns grupos gnósticos ele foi considerado tão ou mais importante do que Jesus de Nazaré?

À luz da Gnose, e como sustentam historiadores  importantes em teologia e cristologia, desde o princípio houve confusão entre alguns seguidores de Jesus o Cristo e os seguidores de João o Batista, já que ambos grupos defendiam que o verdadeiro Cristo estava entre eles, apesar de que o próprio João afirmara que ele batizava com água e o que vinha após batizaria com fogo, termos muito simbólicos que à luz da Gnosis contemporânea desvelada pelo mestre Samael Aun Weor podemos entender que aqui nos fala de um conhecimento de Alquimia, ou seja, o trabalho com o fogo e a água.

Não é exagerado afirmar que tanto João Batista quanto o próprio Jesus de Nazaré estavam cristificados, ou seja, que ambos haviam encarnado a Força-Cristo. Sem embargo, muitas das pessoas da época careciam de cultura espiritual suficiente para entender determinados princípios iniciáticos avançados avançados. E foi por essa razão que ocorreu uma divisão desde os primeiros dias do cristianismo iniciado pelo mestre Jesus na Era de Piscis, cujo símbolo era o peixe.

Jesus Cristo teve a missão de realizar o Drama Cósmico publicamente, não está por demais estudar  os Mistérios Crísticos para que possamos compreender o que nos assinalaram esses dois cristificados, Jesus e João, para não cairmos em confusão, como ocorreu com os iniciados daquela época.

Certamente, inúmeros grupos esotéricos tornaram-se seguidores do ensinamento batístico, como os templários e outras ordens esotéricas medievais, cujas profundas raízes as encontramos nos primeiros seguidores de João Batista. Também figuras conhecidas eram simpatizantes dos batistas, como Leonardo da Vinci, em cujas obras vemos os símbolos batistas impressos em suas principais pinturas, como o dedo indicador levantado para o alto…

Repetimos: nos princípios do cristianismo gnóstico primitivo, os seguidores batistas conheceram o esoterismo da gnosis, porém, não em sua forma completa, como vemos atualmente, pois se tivessem o conhecimento integral teriam compreendido que tanto João Batista quanto seu primo Jesus eram dois cristificados, com a única diferença de que cada um cumpria missões distintas naquela época e também nos dias de hoje.

Nos estudos gnósticos, ensina-se que João Batista foi a encarnação do profeta do Antigo Testamento Elias (livro de Reis) e foi o Avatar (Supremos Mensageiro) da Era de Peixes. Vejamos o que o VM Samael Aun Weor nos ensina acerca de quem seja realmente João o Batista:

O Nome “João”: Esta palavra se decompõe assim: I.E.O.U.A.N., que significa O Verbo, o Dragão de Sabedoria. João Batista é o Precursor, quem prepara o nosso Caminho rumo ao Cristo Íntimo.

(Apontamentos Secretos de um Guru) Longa foi minha conferência com meu discípulo “João”, expliquei-lhe que toda a sabedoria de João o Batista está encerrada dentro do Corpo Etérico do homem. Expliquei também sobre a decapitação de João Batista. Esse degolamento simbólico pertence ao primeiro cânone ou vértebra cervical da cabeça, situada na nuca.

Quando do Segundo Grau de Poder do Fogo, a Kundalini do Corpo Etérico (porque cada um dos sete corpos tem sua Kundalini), ao chegar ali, então o Iniciado passa pela simbólica decapitação de João Batista;troca sua mente terrena por uma mente etérica e celestial, deixa para Salomé (a humanidade) sua cabeça imunda para que dance com ela diante do Rei Herodes (o mundo), e o Iniciado assume uma nova mente, uma mente celestial e divina. Que grandioso é isto! Lástima a humanidade não entender essas coisas!

(Rosa Ígnea) Deve-se distinguir o que é um Avatar e o que é um Salvador. João Batista foi o Avatar de Peixes e eu sou o Avatar de Aquário.

O Salvador do Mundo não é Avatar. Ele é mais do que todos os Avatares, Ele é o Salvador. Os Avatares são tão somente os instrutores e iniciadores de uma nova Era. Cristo é mais do que todos os instrutores, Ele é o Salvador.

(As Três Montanhas) Quando João Batista foi degolado, o Grande Cabir Jesus retira-se num barco, “para um lugar deserto e afastado”, isto é, para as terras jinas, a quarta coordenada de nosso planeta Terra. E é ali onde opera com a multidão o milagre dos cinco pães e dois peixes, dos quais comeram nada menos que 5 mil homens, sem contar mulheres e crianças, sobrando ainda 12 cestos cheios de pedaços (Mateus 14:13-21).

A explicação esotérica, vívida, que de forma cênica me deram sobre a decapitação mística, foi certamente extraordinária… Fui convidado a um festim macabro, e o que vi sobre a mesa trágica foi realmente espantoso… Profana cabeça sangrenta, posta sobre bandeja de prata, adornada com algo que é melhor nem falar… Evidente sua profunda significação: o ego animal, o si mesmo, o mim mesmo, deve ser degolado…

Disso podemos coligir com grande acerto o fato contundente e definitivo de que a cabeça de João Batista, na bandeja de prata, possui certamente idêntico significado… Inquestionavelmente, João o Precursor, ensinou essa terrível verdade, subindo à ara do supremo sacrifício…

Esquadrinhando velhas crônicas, com a constância de clérigo na cela, descobrimos o seguinte: “Os nazarenos eram conhecidos como batistas, sabeanos e cristãos de São João. Sua crença era de que o Messias não era o Filho de Deus, senão simplesmente um profeta que quis seguir João”.

“Orígenes (volume II, página 150) observa que ‘existem alguns que dizem de João que ele era o Ungido (Christus)’.”

“Quando as concepções metafísicas dos gnósticos, que viam em Jesus o Logos e o Ungido, começaram a ganhar terreno, os primitivos cristãos separaram-se dos nazarenos, os quais acusavam Jesus de perverter as doutrinas de João e de trocar por outro o batismo no Jordão.” (Codex Nazaraeus, II, página 109).

Não é demais asseverar, com grande ênfase, o fato transcendental de que João Batista era também um “Christus”…

O Segundo Grau da Iniciação Venusta, oitava superior da sua correspondente Iniciação do Fogo, surgiu transcendente como resultado esotérico da ascensão milagrosa da segunda serpente radiante de luz, para dentro e para cima, pelo canal medular espinhal do fundo vital orgânico (Lingam Sarira).

Encontro mágico, inusitado, foi certamente aquele que tive com João no Jardim das Hespérides, onde os rios de água pura de vida manam leite e mel. Quero referir-me com grande solenidade ao Batista, vivíssima reencarnação de Elias, aquele colosso que viveu nas asperezas do Monte Carmelo, tendo por toda companhia a vizinhança das bestas ferozes, e de onde saía como o raio para derrubar e levantar reis. Criatura sobre-humana, umas vezes visível, outras invisível, a quem até a própria morte respeitava.

Evidentemente, o esotérico batismo divino do Cristo João tem raízes arcaicas muito profundas. Não é demais neste parágrafo recordar o batismo de Rama, o Cristo iogue da Índia.

“Quando estiveram a meia ‘yodjana’ da ribeira meridional do Sarayu, disse docemente Visvamitra: ‘Rama, é conveniente que jogues água sobre ti mesmo, conforme os nossos ritos. Vou ensinar-te nossas saudações para não perderes tempo. Primeiro, receba estas duas ciências maravilhosas: a potência e a ultrapotência. Elas impedirão que a fadiga, a velhice, ou outro mal, nunca invadam teus membros’. Pronunciado esse discurso, Visvamitra, o homem das mortificações, iniciou nas duas ciências a Rama, já purificado nas águas do rio, de pé, a cabeça inclinada e as mãos juntas.” (Isso é textual do Ramayana e convida os bons cristãos a meditar.)

O fundamento diamantino batismal inquestionavelmente se encontra no Sahaja Maithuna (magia sexual). Plena informação sobre sexo-yôga era urgente ao candidato, antes de receber as águas batismais. Rama teve de ser previamente informado por Visvamitra antes de ser batizado. Assim conheceu a ciência da potência e da ultrapotência.

Na transmutação científica das águas espermáticas do primeiro instante, encontra-se a chave do batismo. O sacramento batismal, em si mesmo, está cheio de uma profunda significação. É de fato um compromisso sexual.

Batizar-se equivale de fato a firmar um pacto de magia sexual. Rama soube cumprir com esse terrível compromisso, praticou o Sahaja Maithuna com sua esposa-sacerdotisa. Rama transmutou as águas seminais no vinho de luz do alquimista, e por fim, encontrou a palavra perdida, e a Kundalini floresceu em seus lábios fecundos feito Verbo. Então pôde exclamar com todas as forças de sua alma: “O Rei morreu! Viva o Rei!”

Na presença do Cristo João pude sentir, em toda a presença do meu Ser Cósmico, a profunda significação do batismo.

Concluirei este capítulo, enfatizando o seguinte: quando a segunda cobra de luz fez contato com o Átomo do Pai, no campo magnético da raiz do nariz, resplandeceu o Cristo-Sol sobre as águas da vida e veio a cerimônia iniciática final. Sejam as bênçãos de Amenzano, com sua inalterabilidade, por toda a eternidade. Amém!

A cena emocionante e sublime da transfiguração de Jesus, sobre a qual, como sobre a ascensão, os que se têm por cristãos jamais meditaram o bastante, aparece descrita por Lucas (9: 18-37) nos seguintes termos: “E aconteceu que, estando Jesus orando, perguntou a seus discípulos: ‘Quem dizem as pessoas que sou eu?’ E eles lhe responderam: ‘Uns dizem que és João o Batista (Ioagnes, Rá ou o Cordeiro de Deus), outros dizem que és Elias, e outros que em ti ressuscitou algum dos antigos profetas’. Ao que Jesus acrescentou: ‘E vós, quem dizeis que sou eu?’

Respondendo, Pedro disse: ‘O Cristo de Deus’. Ele então lhes comunicou para que não dissessem nada a ninguém acerca de tudo aquilo, dizendo-lhes: ‘É necessário que o Filho do Homem padeça muitas coisas e que seja desprezado pelos anciães e pelos príncipes, pelos sacerdotes e pelos escribas, e que seja entregue à morte, e que ressuscite ao terceiro dia’.

E acrescentou a todos: ‘Quem quiser vir depois de mim, negue-se a sim mesmo (dissolva o ego) tome dia após dia a sua cruz (pratique magia sexual) e siga-me (sacrifique-se pela humanidade)’. ‘Porque aquele que quiser salvar sua alma (o egoísta que nunca se sacrifica pelos seus semelhantes), perdê-la-á, e o que por amor a mim quiser perder sua alma (o altruísta que sobe a ara do supremo sacrifício pela humanidade), esse a salvará.’ ‘Porque, o que aproveita o homem granjear o mundo todo, perdendo-se ou prejudicando-se a si mesmo?’ ‘Porque qualquer que de mim e das minhas palavras se envergonhar, dele se envergonhará o Filho do Homem, quando vier na sua glória e na do Pai e dos santos anjos.’ ‘E em verdade vos digo que, dos que aqui estão, alguns há que não provarão a morte até que vejam o reino de Deus.’”

E depois desta passagem, que tomada ao pé da letra se refere somente a Jesus, mas que tomada simbolicamente ou em espírito se refere, com efeito, a todos os homens, como mais adiante veremos, continua o texto com a cena da transfiguração, dizendo: “E aconteceu, como oito dias depois dessas palavras (e como se o fato, acrescentamos nós, viesse a ser uma corroboração prática e tangível delas), que, tomando Jesus a seus discípulos Pedro, Tiago e João, subiu ao monte para orar.

“E, enquanto fazia o Mestre a sua oração, transformou-se e fez-se outra a figura do seu rosto, e suas vestimentas tornaram-se brancas e resplandecentes… E eis que com Jesus falavam dois homens. E estes eram Moisés e Elias, que apareceram cheios de glória e lhe falavam de sua morte, a qual havia de cumprir-se em Jerusalém.

Mas Pedro e seus companheiros estavam carregados de sono e, despertando, viram a glória de Jesus e dos dois homens que com Ele estavam. E quando estes se afastaram dele, disse Pedro a Jesus, não sabendo o que dizia: ‘Mestre, bom é que nós estejamos aqui. Façamos três tendas, uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias’.

E, enquanto Pedro dizia isto, veio uma grande nuvem que os envolveu, causando-lhes grande pânico. E da nuvem saiu uma voz, que dizia: ‘Este é meu filho amado! A ele escutai!’ E quando a voz cessou, acharam já só a Jesus. E eles calaram e a ninguém disseram coisa alguma do que haviam visto e ouvido…’

8 Comments

  1. Rafael Herrerias

    HA contradições entre esse evangelho de Valentino e sobre esse texto publicado acima já que a passagem de João 1:19 até 1:23 está claro o testemunho de JOÃO BATISTA Sobre quem era ele!

    E este foi o testemunho de João, quando os judeus lhe enviaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para que lhe perguntassem: Quem és tu?

    João 1:20 Ele, pois, confessou e não negou; sim, confessou: Eu não sou o Cristo.

    João 1:21 Ao que lhe perguntaram: Pois que? És tu Elias? Respondeu ele: Não sou. És tu o profeta? E respondeu: Não.

    João 1:22 Disseram-lhe, pois: Quem és? para podermos dar resposta aos que nos enviaram; que dizes de ti mesmo?

    João 1:23 Respondeu ele: Eu sou a voz do que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como disse o profeta Isaías…….

    Gosto muito desse site e aprendo muito aqui.
    por ser um Cristão ando pelas tribos e culturas não apontando nenhuma e colhendo os frutos que me parecem bons.
    Que todos se iluminem e obtenham o reino pela misericódia do SENHOR!

    Espero que possam esclarecer essa contradição.

    1. Não é somente os gnósticos como Samael Aun Weor que afirmam que João Batista se encarnou como Elias. Edgar Cayce, Rudolf Steiner e outros ensinam isso…

      1. Rafael Herrerias

        Seria então falsa essa passagem no evangelho de joão?

        Jesus também diz: Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam;
        João 5:39

        Jesus Também diz Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores.
        Mateus 7:15

        CADA UM GUIE SEU CORAÇÃO PELOS CAMINHOS QUE DESEJA, E ACREDITA NO QUE LHE CONVÉM.

        1. Rafael, conhecer profundamente o Ensinamento sagrado do Salvador não é somente ler e decorar trechos da Bíblia. É necessário estudar profundamente Cabala, Alquimia, Magia, Simbologia Esotérica… e, acima de tudo, viver em carne própria a Doutrina Esotérica de Cristo.
          Isso só pode ser feito trilhando a Senda da Iniciação, ensinada pela Santa Gnose dos tempos atuais…
          Estude e deixe de lado esse fanatismo ignorante que não leva a nada…
          Adorar o Cristo é maravilhoso, mas adorar CONSCIENTEMENTE é melhor ainda.

    2. Decio Moreira

      Oi Rafael. Mas a passagem que você escreveu não seria sobre João evangelista? O apóstolo.
      E o texto acima de João Batista.

  2. Amigos, eis o texto do Evangelho de Valentino sobre este assunto:

    ”Tomei Elias e o enviei ao corpo de João, o Batista. E enviei outros a corpos justos para que encontrem os mistérios da Luz e se elevem às regiões superiores, e entrem na posse do Reino da Luz.” Valentino, 60: 5-6.

    Abraços a todos!

  3. Amigos, eis o texto do Evangelho de Valentino sobre este assunto:

    ”Tomei Elias e o enviei ao corpo de João, o Batista. E enviei outros a corpos justos para que encontrem os mistérios da Luz e se elevem às regiões superiores, e entrem na posse do Reino da Luz.” Valentino, 60: 5-6.

    Abraços a todos!

  4. No Evangelho de Valentino, que também é um livro gnóstico, Jesus diz claramente, sem margens para dúvidas, que João, o Batista era a reencarnação de Elias. Abraços a todos!

Comments are closed.

Confira também

Magia do estoraque

Disse mais o Senhor a Moisés: Toma especiarias