sábado, setembro 18, 2021

Osho falando sobre magia sexual

Home Fóruns Osho falando sobre magia sexual

  • Este tópico está vazio.
Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Autor
    Posts
  • #29631
    felipe
    Mestre

    O tantra faz perguntas
    básicas sobre a vida. Por isso há tanto interesse no sexo e o amor. São básicos. Você existe por
    meio deles; forma parte deles.
    É um jogo de energia sexual e nada mais, e ao menos que compreenda esta energia e a
    transciendas, nunca será nada mais. Agora mesmo, não é mais que energia sexual. Pode ser mais,
    mas se não compreender isto e não o transciendes, nunca será mais. A possibilidade existe só
    como semente. Por isso o tantra está interessado no sexo, no amor, na vida natural.
    Mas a maneira de conhecer não é mediante o conflito. O tantra diz que não pode conhecer
    nada se estiver em uma atitude de luta, porque então não está receptivo. Então, porque está
    lutando, os segredos estarão ocultos para ti: não está aberto para receber. E quando está lutando,
    está sempre fora. Se está combatendo o sexo, sempre está fora; se te render ao sexo, chega a seu
    próprio núcleo interno, está dentro. Se te entregar, conhece muitas coisas.
    estiveste no sexo, mas sempre com uma atitude de luta. Por isso não conheceste muitos
    secretos. Por exemplo, não conheceste as forças vivificantes do sexo. Não as conheceste porque
    não pode conhecer: isso requer que esteja dentro.
    Se realmente está fluindo com a energia sexual, totalmente entregue, cedo ou tarde chegará ao
    ponto em que saberá que o sexo não só pode dar nascimento a uma nova vida; o sexo te pode dar
    mais vida. Para os amantes o sexo se pode converter em uma força lhe vivifiquem, mas para isso
    necessita uma entrega. E uma vez que te entregaste, muitas dimensões trocam.
    Por exemplo, o tantra soube, o Tao soube, que se ejacular durante o ato, não pode ser uma
    força lhe vivifiquem para ti. Não há necessidade de ejacular; a ejaculação pode ser totalmente
    esquecida. O tantra e o Tao dizem que há ejaculação porque está lutando; de outra forma não é
    necessária.
    O amante e a pessoa amada podem estar em um profundo abraço sexual, relaxando o um no
    outro sem nenhuma pressa por ejacular, sem nenhuma pressa por terminar o que está passando.
    Simplesmente se podem relaxar o um no outro. E se esta relaxação é total, ambos sentirão mais
    vida. Ambos se enriquecerão mutuamente.
    O Tao diz que um homem pode viver mil anos se não ter nenhuma pressa no sexo, se estiver
    profundamente depravado. Se uma mulher e um homem estão profundamente relaxados o um
    com o outro, simplesmente fundindo o um no outro, absortos o um no outro, sem nenhuma
    pressa, sem nenhuma tensão, acontecem muitas coisas -acontecem coisas alquímicas- porque os
    sucos vitais de ambos, a eletricidade de ambos, a bioenergía de ambos, juntam-se. E nesta união,
    devido a que são opostos -a gente é negativo, a gente é positivo; são pólos opostos-,
    simplesmente ao unir-se profundamente, revitalizam-se mutuamente, fazem que o outro tenha
    mais vitalidade, mais vida.
    Podem viver muito tempo, e podem viver sem fazer-se nunca velhos. Mas isto só o pode
    conhecer se não estar em uma atitude de luta. E isto parece paradoxal. Os que estejam
    combatendo o sexo, ejacularão antes, porque a mente tensa tem pressa por ser liberada da tensão.
    A nova investigação arroja muitas coisas surpreendentes, muitos feitos surpreendentes.
    Masters e Johnson trabalharam cientificamente pela primeira vez com o que acontece no coito
    profundo. chegaram a dar-se conta de que o setenta e cinco por cento dos homens são
    eyaculadores precoces…, o setenta e cinco por cento! antes de que haja uma união profunda já
    ejacularam e o ato terminou. E noventa por cento das mulheres nunca têm nenhum orgasmo…,
    noventa por cento das mulheres!
    Por isso as mulheres estão tão zangadas e irritadas, e seguirão estando-o. Nenhuma meditação
    pode as ajudar a estar acalmadas, e nenhuma filosofia, nenhuma religião, nenhuma ética, fará que
    se sintam a gosto com os homens com os que estão vivendo. Estão frustradas, zangadas, porque a
    ciência moderna e o antigo tantra dizem que a não ser que uma mulher esteja profundamente
    satisfeita orgásmicamente, ela será um problema na família. O que lhe falta criará irritações e ela
    estará sempre em atitude de luta.
    Assim se sua mulher está sempre em atitude de luta, volta a pensar em todo isso. Não é
    simplesmente a mulher: pode que você seja a causa. E como as mulheres não estão alcançando o
    orgasmo, voltam-se antisexo. Não estão dispostas a entrar no sexo facilmente. Têm que ser
    subornadas; não estão dispostas a entrar no sexo. por que foram estar dispostas se alguma vez
    obtiverem nenhuma sorte profunda com isso? Mas bem depois sentem que o homem as utilizou.
    sentem-se como uma coisa que foi usada e logo tiragem.
    O homem está satisfeito porque ejaculou. Então se dá a volta e dorme, e a mulher segue
    chorando. foi utilizada, e a experiência não foi satisfatória em modo algum para ela. Pode que
    tenha folgado a seu marido ou amante ou amigo, mas para ela não foi satisfatória em modo
    algum.
    Noventa por cento das mulheres nem sequer sabem o que é o orgasmo. Nunca o conheceram;
    nunca alcançaram um topo de uma convulsão tão ditosa do corpo que toda fibra vibre e toda
    célula cobre vida. Não a alcançaram, e isto se deve a uma atitude antisexual na sociedade. A
    mente que luta está presente, e a mulher está tão reprimida que se tornou frígida.
    O homem segue fazendo o ato como se fora um pecado. Considera-o uma culpa: não deveria
    estar fazendo-o. E enquanto está fazendo o amor a sua esposa ou amada, está pensando em algum
    mahatma -algum suposto santo-, em como ir ao mahatma e transcender este sexo, esta culpa, este
    pecado.
    É muito difícil desfazer-se dos mahatmas; estão pressentem inclusive enquanto está fazendo o
    amor. Não são dois; um mahatma deve estar aí. Se não haver nenhum mahatma, então é Deus
    quem te está vendo fazer este pecado. O conceito de Deus na mente da gente é tão somente o de
    um olheiro: sempre te está olhando. Esta atitude cria ansiedade, e quando há ansiedade a
    ejaculação chega antes.
    Quando não há ansiedade, a ejaculação se pode postergar durante horas…, inclusive durante
    dias. E não é necessária. Se o amor for profundo, os dois amantes se podem revitalizar
    mutuamente. Então a ejaculação cessa completamente, e durante anos dois amantes podem unirse
    sem nenhuma ejaculação, sem nenhum esbanjamento de energia. Simplesmente se podem
    relaxar o um com o outro. Seus corpos se unem e se relaxam; entram no sexo e se relaxam. E
    cedo ou tarde, o sexo não será uma excitação. Agora mesmo é uma excitação. Então não é uma
    excitação, a não ser uma relaxação, um profundo deixar-se ir.
    Mas isso só pode acontecer se primeiro te entregaste por dentro à energia vital, a força vital.
    Só então te pode entregar a seu amante ou amado. O tantra diz que isto acontece, e diz como pode
    acontecer.
    O tantra diz: nunca faça o amor quando estiver excitado. Isto parece muito absurdo, porque
    quer fazer o amor quando está excitado. E normalmente, os dois amantes se excitam mutuamente
    para poder fazer o amor. Mas o tantra diz que na excitação está esbanjando energia. Faz o amor
    quando estiver acalmado, sereno, meditativo. Primeiro medita, logo faz o amor, e quando estiver
    fazendo o amor não vá mais à frente do limite. O que quero dizer com «não vá mais à frente do
    limite»? Não te volte excitado e violento, para que sua energia não se disperse.
    Se vir duas pessoas fazendo o amor, parecerá-te que estão lutando. Se os meninos pequenos
    virem às vezes a seu pai e sua mãe fazendo o amor, pensam que o pai vai matar à mãe. Parece
    algo violento, parece uma luta. Não é belo, parece feio.
    Deve ser mais musical, harmonioso. Os dois devem estar como se estivessem dançando, não
    lutando; como se estivessem cantando uma melodia harmoniosa, criando uma atmosfera em que
    ambos se podem dissolver e fazer-se um. E então se relaxam. Isto é o que quer dizer o tantra. O
    tantra não é sexual absolutamente, o tantra é o menos sexual; entretanto, interessa-se muito pelo
    sexo. E se mediante esta relaxação e este deixar ir, a natureza te revela seus segredos, isto não é
    de sentir saudades. Então começa a ser consciente do que está acontecendo. E nessa consciencia
    do que está acontecendo, chegam a sua mente muitos secretos.
    Em primeiro lugar, o sexo se volta lhe vivifique. Tal como é agora é mortificante;
    simplesmente está morrendo através dele, te extenuando, te deteriorando. Em segundo lugar,
    volta-se a meditação natural mais profunda. Seus pensamentos cessam completamente. Quando
    está totalmente depravado com seu amante, seus pensamentos cessam. A mente não está aí; só
    pulsa seu coração. volta-se uma meditação natural. E se o amor não pode te ajudar a entrar em
    meditação, nada te ajudará, porque todo o resto é supérfluo, superficial. Se o amor não pode
    ajudar, nada ajudará.
    O amor tem sua própria meditação. Mas não conhece o amor; só conhece o sexo e conhece a
    desdita de esbanjar energia. Então te deprime depois disso. Então decide fazer voto de
    brahmacharya, de celibato. E este voto o faz quando está deprimido, esse voto o faz quando está
    zangado, esse voto o faz quando está frustrado. Não vai ajudar.
    Um voto pode ser útil se se fizer em um estado de ânimo muito depravado, profundamente
    meditativo. De outra forma, simplesmente está mostrando sua ira, sua frustração e nada mais, e
    esquecerá o voto em menos de vinte e quatro horas. A energia virá de novo, e igual a uma velha
    rotina terá que soltá-la.
    O tantra diz: o sexo é muito profundo porque é a vida. Mas pode estar interessado no tantra
    pelas razões equivocadas. Não esteja interessado no tantra por razões equivocadas, e então não te
    parecerá que o tantra é perigoso. Então o tantra transforma a vida.
    Alguns métodos tántricos foram usados também pelo ioga, mas com uma atitude de conflito,
    de luta. O tantra usa os mesmos métodos, mas com uma atitude muito amorosa…, e isso cria uma
    grande diferencia. A qualidade mesma das técnicas troca. A técnica se volta diferente porque
    todo o trasfondo é diferente.
    perguntou-se, Qual é o tema central do tantra? A resposta é: você! Você é o tema central do
    tantra: o que é agora mesmo e o que está oculto em ti que pode crescer, o que é e o que pode ser.
    Agora mesmo é um dispositivo sexual, e a menos que se compreenda profundamente este
    dispositivo, não pode te voltar um espírito. A sexualidade e a espiritualidade são cabos de uma só
    energia.
    O tantra começa contigo tal como é; o ioga começa com o que é sua possibilidade. O ioga
    começa com o final; o tantra começa com o princípio. E é bom começar com o princípio. Sempre
    é bom começar com o princípio, porque se o final se faz o princípio, está criando um sofrimento
    desnecessário para ti. Não é o final: não é o ideal. Tem que chegar a ser um deus, o ideal, e é só
    um animal. E este animal se volta louco a causa do ideal do deus; enlouquece, transtorna-se.
    O tantra diz: te esqueça do deus. Se for o animal, compreende a este animal em sua totalidade.
    Nessa mesma compreensão, o deus crescerá. E se não poder crescer mediante essa compreensão,
    então esquece-o, não pode ser. Os ideais não podem realizar suas possibilidades; só o
    conhecimento do real ajudará. De maneira que você é o tema central do tantra, como é e como
    pode chegar a ser, sua realidade e sua possibilidade: isto é o tema central.
    Às vezes a gente se preocupa. Se for compreender o tantra, não se fala de Deus, do moksha,
    da liberação: não se fala disso, não se fala do nirvana. Que tipo de religião é o tantra? O tantra
    fala de coisas que lhe dão asco, das que não quer falar. Quem quer falar do sexo? Todo mundo
    pensa que conhece bem o tema. Como te pode reproduzir, pensa que sabe.
    Ninguém quer falar do sexo, e o sexo é o problema de todos. Ninguém quer falar do amor
    porque a todos parece que já são uns grandes amantes. E olhe sua vida! É só odeio e nada mais. E
    o que chama amor não é mais que uma relaxação, uma pequena relaxação, do ódio. Olhe a seu
    redor, e verá o que sabe sobre o amor.
    Baal Shem, um faquir, ia à alfaiate todos os dias a por sua túnica, e o alfaiate demorou seis
    meses em fazer uma simples túnica para o faquir. O pobre faquir! Quando a túnica esteve lista e o
    alfaiate a deu, Baal Shem disse: «me diga, inclusive Deus teve só seis dias para criar o mundo.
    Deus criou o mundo inteiro em seis dias e lhe levou seis meses fazer esta túnica para um pobre?».
    Baal Shem recordou à alfaiate em suas memórias. O alfaiate disse: «Sim, Deus criou o mundo
    em seis dias, mas olhe o mundo, olhe que tipo de mundo é. Sim, ele criou o mundo em seis dias,
    mas olhe o mundo!».
    Olhe a seu redor; olhe o mundo que criaste. Então cairá na conta de que não sabe nada, de que
    simplesmente está andando a provas. E como todos outros também estão andando a provas, não
    pode ser que você esteja vivendo na luz. Se todos outros estão andando a provas, sente-se bem,
    porque então te parece que não há comparação.
    Mas você também está na escuridão, e o tantra começa contigo tal como é. O tantra quer te
    esclarecer algumas costure básicas que não pode negar. Se tráficos das negar, é a seus gastos.

Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Você deve fazer login para responder a este tópico.