Arcano 1 – O Mago

0
432

O M A G O

Descrição e símbolos:

O Mago está ante uma Mesa com o Báculo de Poder, assinalando para cima e para baixo; sua roupa em forma de Triângulo. Na mesa está o Vaso ou Taça, a Espada Flamejante e a Lua; debaixo da Mesa a Íbis Imortal. Abaixo, nas Águas da Vida, a Pedra Cúbica de Yesod, a Pedra Filosofal. Acima, os Olhos do Pai, formando o Santo 8, símbolo do Infinito.

O Mago: O iniciado tem de trabalhar com os elementos indiferenciados que estão em cima da mesa; tem de coincidir as Três Forças Primárias da Natureza e do Cosmo num ponto dado para poder criar. Ser sábio, poderoso, mago e exorcista para alcançar a Coroa da Vida.

A Serpente em sua cabeça indica que é um Mestre autorrealizado. O Mago assinala a terra, indicando que a domina com a Ciência; assinala com o báculo para cima, para indicar que adquiriu esta Ciência elevando-se interiormente, isto é, cumpriu com o axioma alquimista da Tábua Esmeraldina: “Ascende da Terra ao Céu e desce do Céu à Terra”.

Também se quer expressar com isso outros axiomas universais: “Para subir, primeiro se tem de descer” e “Como é acima é abaixo e como é abaixo é acima”. Descer tem duas representações:

1ª – O sexo, a suprassexualidade, a Pedra Cúbica;

2ª – Os níveis inconscientes, infraconscientes e subconscientes.

O Vestido Triangular: com o vértice para cima assinala que está demonstrando seu perfil direito para indicar o Positivo e as Três Forças Primárias reunidas em Kether (a Unidade).

O Báculo: a Coluna e seus 7 chacras; poder e mando.

A Mesa: em forma de cubo, para representar a Pedra Cúbica. Nela aparecem os elementos com os quais se tem de trabalhar.

A Espada representa a Lei, o rigor, domínio, o Falo ou Lingam, o Fogo.

A Lua tem muitos significados, e neste caso representa que a Lua deve-se converter em Sol.

A Taça: o recipiente hermético, o Yoni Feminino. A mente e seu receptáculo, o cérebro, como elemento receptivo das mensagens que vêm da Consciência Superlativa do Ser.

O Íbis imortal está embaixo da mesa para indicar que por meio dele (do Fogo Sagrado) que se ordenam os elementos que estão sobre a Mesa. É a ave Fênix, o cisne Kalahamsa, o Espírito Santo simbolizando a força maravilhosa do Amor.

Os Olhos do Pai, na parte superior, representam o Infinito, o Santo 8. O caduceu de Mercúrio, os 8 Kabires que dirigem o planeta. O Santo 8 é o símbolo da vida e da morte, o Alpha e o Ômega, a Lei do Centro.

A Pedra Filosofal encontra-se nas Águas da Vida já lavrada, indicando-nos que esse é o trabalho que nos cabe realizar. Essa é “a pedra de tropeço e rocha de escândalo” que os edificadores do Templo desprezaram.

“E todos beberam a mesma bebida espiritual; porque bebiam da Pedra Espiritual que os seguia, e a Pedra era Cristo” (1ª Coríntios 4). “Edificai sobre o fundamento dos Apóstolos e Profetas, sendo a principal Pedra de ângulo o próprio Jesus Cristo”.

A ALTA MAGIA

O Mago está no exercício de seu Poder Mágico. Aqui nos encontramos no Sanctum Regnum da Magia. Necessitamos capacitar-nos nos Mundos Superiores, sermos verdadeiros esoteristas, cabalistas e teurgos. Magia vem de Magister = Mestre. É aprender a operar conscientemente sobre as Forças da Natureza e sobre o mundo interior. Há Magia Branca (Teurgia) e Magia Negra (Goécia). Não caiamos, portanto, na Magia Negra. Sempre peçamos ajuda ao Ser e às Forças Dévicas que dirigem os Elementais, sempre para o bem, o amor, a justiça e a ajuda aos demais.

ATRIBUTO DA DIVINDADE

O signaculum de três braços é um atributo de OCH, a Inteligência de Michael, Rei do Sol e do Raio. É o Selo dos Espíritos Olímpicos e Solares. Representa as três Forças Primárias da Natureza (Pai, Filho e Espírito Santo), convergindo num ponto para criar; é a Chama de Tríplice Incandescência. Na escritura silábica do Mediterrâneo Ocidental (400 a.C.) simboliza o som silábico Di (radical de Dios, Dieu, Deus), e em outros quer dizer “Essência, Espírito Divino”.

Fonema Egípcio

Relaciona-se com a letra A, a Águia representa o Ser; como símbolo do Logos, participa em muitos mitos da Criação em diferentes culturas, indicando o Fogo Fecundador das águas genésicas. A águia do Espírito caça nos terrenos purgatoriais para arrebatar a Alma às esferas do Fogo Universal. Ganimedes, transformado em águia, foi levado ao Olimpo.

A Águia traga a Serpente, igual Saturno-Cronos, para nos converter em Deuses.

Fonema Místico

Está relacionado com Júpiter, o Pai de todos os Deuses. Representa a Unidade da vida livre em seu movimento e síntese de todo o criado.

O Sefirote Kether

Realmente, cada um de nós tem no fundo da Consciência um Ancião Venerável, este é o Primeiro Logos. Os cabalistas o denominam Kether. O Ancião dos Dias é andrógino, isto é, homem e mulher ao mesmo tempo. A primeira e última síntese de nosso Ser. O Ancião dos Dias é a primeira emanação terrivelmente divina do Espaço Abstrato Absoluto.

É o primeiro e o último Mandamento, o primeiro e o último Mistério = o Mistério 24, que se resolve com o 6º e este com o 15º. O Pai está oculto em seu próprio Tear. O Ancião dos Dias é original em cada homem e é o Pai… “há tantos Pais nos Céus como homens na Terra”.

O Ancião dos Dias é o oculto do oculto, a misericórdia das misericórdias, a bondade das bondades, a raiz do nosso Ser, o “Grande Vento”.

A barba do Ancião dos Dias tem 13 mechas. A cabeleira do Ancião tem 13 cachos. O Arcano 13 é o Ancião dos Dias. Só vencendo a Morte podemos encarnar o Ancião dos Dias. As provas funerais do Arcano 13 são mais espantosas e terríveis do que o Abismo.

Só na presença dos Anjos da Morte, depois de sairmos vitoriosos nas provas funerais, poderemos encarnar o Ancião dos Dias. Quem o encarna é um “Velhinho” a mais na Eternidade.

A Deusa Asteca da Morte tem uma coroa de nove crânios humanos. A coroa é o símbolo do Ancião dos Dias. O crânio é a correspondência microcósmica do Ancião dos Dias no homem. Realmente, necessitamos uma suprema morte e uma suprema ressurreição para realizar o Ancião dos Dias em nós mesmos.

No mundo de Kether, compreendemos que a Grande Lei rege todo o criado. Desde o mundo do Ancião dos Dias vemos as multidões humanas como folhas arrastadas pelo vento. O Grande Alento é a Lei terrível do Ancião dos Dias. “Vox poluli, vox Dei”. Uma revolta social contemplada desde o mundo do Ancião dos Dias é uma Lei em ação. Cada pessoa e mesmo a multidão inteira se parecem com folhas desprendidas das árvores, arrastadas pelo Vento terrível do Ancião dos Dias.

As pessoas não sabem dessas coisas. As pessoas só se preocupam por conseguir dinheiro e mais dinheiro. Essa é a pobre humanidade sofrida, míseras folhas arrastadas pelo Vento, levadas pela Grande Lei.

O Ancião dos Dias é o nosso Ser Autêntico em sua raiz essencial. É o Pai em nós. É o nosso verdadeiro Ser. Nossos discípulos devem agora concentrar e meditar muito fundo sobre o Ancião dos Dias, e durante a Meditação devem provocar o sono.

Que a Paz reine em todos os corações. Não esqueçamos que a Paz é Luz; não esqueçamos que a Paz é uma essência que emana do Absoluto. É Luz emanada do Absoluto. É a Luz do Ancião dos Dias. Cristo disse: “Minha Paz vou dou, minha Paz vos deixo”.

DESEJA ADQUIRIR O AUTÊNTICO TARÔ EGÍPCIO? CLIQUE AQUI

Letra Hebraica

Aleph (A), quer dizer “Boi-Guia, Chefe”. O vocábulo se compõe de “Deus-
Boca”, isto é, “Verbo Divino”. É a Unidade e a Unicidade, o Uno e o Único, o Princípio Criador, a Natura Naturante, o Pai. O homem como Unidade Coletiva. Tem seu equivalente no Arcano 1: “O Mago Criador”. Valor numérico 1, a letra A; o Sol; a cor é o branco. Nota musical Dó; princípio alquímico; a pedra Filosofal e o poder volitivo da Mente posta a serviço do Íntimo. Desperta no ser humano aptidões para compreender, considerar, resolver problemas e dominar paixões.

Arcano 1

O Mago Criador no ato de Criar. Símbolo dos Mistérios do Boi-Guia cifrados na letra Aleph. Representa Unidade, o Princípio das coisas, o Pai, o Mundo como Manifestação, o Homem como Unidade viva, a Base, e a Razão de todos os atos.

O Arcano 1 é o Mago, o que inicia, o que começa, o Uno, é a Unidade, o Espírito Divino de cada pessoa, a Mônada ou Chispa Imortal de todo ser humano, de toda criatura. O 1 é a Mãe de todas as Unidades, o 1 se desdobra no 2, que é o próximo arcano, A Sacerdotisa.

No Arcano 1 entramos no Sanctum Regnum da Magia. É o Mago da Cabala, é óbvio que é o que começa qualquer coisa que se inicia na vida prática.

É fácil compreender que todo começo é difícil, há de se trabalhar duro, semear, para poder colher, por isso é que no Arcano 1 está a Unidade do Princípio Original, a origem de toda Unidade, porque tudo começa como 1.

A Unidade vem a ser a origem da Dualidade, ou do Binário, 1+1 = 2. Por último, nessa Unidade está a síntese realizadora do Ternário. A Unidade, o 1, é a Mônada Divina, o Primeiro Logos, é o Pai que está em segredo, e cada qual tem sua Mônada própria individual.

Dizia Madame Blavatsky que “há tantos Pais nos Céus como homens na Terra”. O Pai, por sua vez ou por si mesmo, desdobra-se na Mãe Divina; assim Ele e Ela são Brahma, porque Ela vem a ser o aspecto feminino d’Ele. Então vemos como a Unidade é a raiz do Binário, posto que este não existiria sem a Unidade.

Se não existisse a Mônada não existiria a Mãe Divina. A Mônada é a raiz da Dualidade. Há tantas mães nos Céus como homens na Terra, cada qual tem seu Deus Interior, ou seu Pai, e Mãe Celestial particular própria. Aclarando isto, compreende-se melhor por que a Unidade é a síntese realizadora do ternário e como e por que se produz.

Quando Jesus orava, orava ao Pai que está em segredo. Ele nos deixou uma oração que é o Pai-Nosso. Essa oração é cem por cento mágica, leva-se um par de horas para orar um Pai-Nosso, porque cada petição que se faz ao Pai é mágica. O erro das pessoas é rezá-la de forma mecânica, e assim, não tem nenhum resultado. Essa oração tem de ser detalhada, analisada. Para isso, há de se relaxar o corpo até que nenhum músculo fique tenso; então concentrar-se combinando a oração com a meditação.

As pessoas pensam que o “Pai Nosso que estais nos Céus” é um Senhor que está ali, sentado. Se refletirmos profundamente, descobriremos a Mônada, o número 1: a origem de todas as outras Unidades ou Mônadas.

É claro que a Mônada necessita algo na vida para poder se autorrealizar. O que é que a Mônada necessita? É o que averiguaremos à luz do sânscrito: necessita de Vajrasatva, seu significado é Alma Diamante. Esta é uma Alma que não tem o Eu, que eliminou todos os elementos subjetivos da percepção.

Esses elementos são os Eus, os 3 Traidores de Hiram Abiff:

Judas, o Demônio do Desejo, equivocadamente chamado de Corpo Astral;

Pilatos, o Demônio da Mente que se confunde com o Corpo Mental; e

Caifás, o Demônio da Má Vontade.

As escolas pseudoesotéricas ignoram tudo isso. Os elementos subjetivos das percepções são os Agregados, os diversos compostos do ser humano ou os diversos Demônios Vermelhos que constituem os Eus.

Enquanto não conheçamos a nós mesmos, nada poderemos saber de Alma e Espírito.

O nº 1 é Pensamento e Ação reunidos em perfeita harmonia, e estes, unidos à Vontade Individual Original, dão impulso formidável e um entusiasmo no que se empreende.

Semear para colher. Todo começo é difícil. Êxito rotundo ou com sacrifícios.

O número 1 como Princípio Absoluto Universal: a Mônada representa o Princípio da Unicidade, do indivisível e infinito, Deus.

Pitágoras disse: “É o Pai Criador de todas as coisas; o Pensamento criador das ideias. Pai e Mãe ao mesmo tempo, o Princípio Vivente que diferencia Substância-Espírito, é a Substância-Matéria para criar o Universo”.

Em geometria é relacionado com a Linha. Como princípio de formação no ser humano é o determinado, a Iniciação, o que insta para que as coisas sejam: a Vontade. É a identidade, a igualdade, a existência, a persistência.

Representa o Espiritual, a síntese de Luz e Obscuridade, a Inteligência, a aptidão para propor, considerar e resolver. É meditação, reflexão, decisão, obrando como trabalho na mão de obra e como volição no pensamento.

Promete domínio dos obstáculos, iniciativas felizes, dando força moral à Vontade para obedecer aos ditames do Pai, da Lei Divina, aos ditados do dever, segundo o que o dever manda e a empresa requer.

É como força atuante nas relações mundanas. “É o primeiro paradigma da fabricação mundana”, dizem os pitagóricos. Como tal, comunica aos números, com que se associa, a virtude de Criação, que se faz efetiva através do espírito empreendedor da pessoa que o tem no nome ou na data de nascimento. O estudante que se identifica com a Mônada conhece o Mistério da Paternidade.

Relaciona-se na Criação à Unidade: é o elemento masculino criador.
Planeta: Sol.
Signo zodiacal: Áries.
Nota musical: .
Cor: raio branco da Luz.
Metal: ouro.
Essência: lavanda.
Pedra: diamante.
Substância química: fosfato de potássio.
Elemento geométrico: ponto.
Corpo humano: plexo cardíaco, o coração e a cabeça.
Ideias: firmeza, originalidade, vontade, iniciativa, ânimo empreendedor.
Atributo modelador: Sol em Leão.

Leão é o trono do Sol, o signo do ouro, tanto alquímico quanto natural. Matéria receptiva do Espírito Masculino Universal. É a Morada dos Filhos da Chama, a quem a Bíblia chama de Tronos, é também a ordem mais exaltada dos signos zodiacais.

Em nós é o coração. O Homem Celestial, ou Mestre Interno, nos fala pela voz do coração, o homem terreno ou animal é a Mente. O Mestre ordena e a mente não obedece. Há de se aprender a orar e fazer a Vontade do Pai; aprender a escutar a Voz do Coração, a Voz do Silêncio.

Espiritual: é a síntese, a Iniciação nos Mistérios e o poder para decifrá-los e servir-se deles.

Mental: é o Poder volitivo da transformação e da coordenação, dá aptidão para considerar e resolver problemas, despertar e dominar paixões.

Físico: é a propensão à organização dos elementos naturais e o domínio de forças em movimento, dando aptidão para adquirir, dispor, criar, modelar e aplicar.

Axioma Transcendental: “Sê em tuas obras como és em teus pensamentos”.

Só é possível cumprir esse Axioma sendo consciente de si mesmo. Quando não se é consciente de si mesmo, quem pensa com o nosso martirizado cérebro, quem sente com o nosso dolorido coração?

Se quisermos unir-nos ao Ser, necessitamos mudar a maneira equivocada de pensar e estabelecer o Pensar Psicológico, isto é, pensar de acordo com as Ideias Superiores e, através de uma férrea disciplina, ir estabelecendo um Centro Permanente de Consciência.

Ao não ter um Centro Permanente de Consciência, nossas vontades egoicas, nossos pensamentos e emoções negativas são volúveis, inconscientes, mecânicas, são provenientes da multiplicidade egoica que carregamos dentro de nós. Se não mudarmos isso, ainda que tenhamos aspirações superiores, nossa vida se irá com suspiros e em ideais românticos. Por isso, o Apóstolo Santiago, em sua Epistola Universal, nos disse: “A fé sem obra é fé morta”.

Isso também se relaciona com a vida interior e a maneira como tratamos os outros interna e invisivelmente. O interior e o exterior devem corresponder-se como dois relógios, devem dar a mesma hora. Temos de ser consequentes com o que queremos fazer e ir trabalhando para consegui-lo. Conhecer nossos processos psicológicos (como pensamos, sentimos, atuamos) e mudarmos interiormente, quando necessário, se assim fizermos, nosso Ser irá se expressando pouco a pouco em nossas obras, em nossos pensamentos, em nossos sentimentos e em nossa vida, fazendo desta uma Obra-Prima.

Elemento de Predição para o Arcano 1:

Promete domínio de obstáculos materiais, novas relações sociais, iniciativas felizes, o concurso de amigos fiéis que ajudam o desenvolvimento dos projetos e amigos ciumentos que atrapalham.

FONTE: Tarô e Cabala – Samael Aun Weor

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.