A dissolução dos problemas e os três cérebros

A dissolução dos problemas e os três cérebros

A dissolução dos problemas mediante a Filosofia da Momentaneidade e o manejo dos Três Cérebros.

É necessário aprender a não forjar problemas na vida. Melhor, é preferível sair a campo, levar uma vida que está em harmonia com o Infinito.

Os problemas não são mais que formas mentais, formas criadas pela mente.

O que é um problema? É uma forma mental com dois polos, um positivo e outro negativo. Essas formas são sustentadas pela mente e deixam de existir quando a mente deixa de sustentá-las.

O que é que nós devemos fazer? Resolver problemas? Não, não é isso o que se necessita! Então, o quê? O que se necessita é dissolvê-los. Como se dissolvem? Simplesmente, esquecendo-os. Quando alguém está com uma preocupação, saia um pouco ao campo e procure pôr-se em harmonia com todas as coisas, com tudo o que é, com tudo o que foi e com tudo o que será.

Esquecer problemas é básico. Vocês me dirão que “é impossível esquecer os problemas”, porém, sim, é possível. Quando alguém quer esquecê-los, o único que tem de fazer é pôr a trabalhar qualquer outro Centro da máquina orgânica.

Lembrem-se vocês que o organismo humano tem cinco Centros, ou Cilindros, muito importantes: primeiro, o Centro Intelectual, situado no cérebro; segundo, o Centro Emocional, que está localizado, naturalmente, no plexo solar e centros nervosos simpáticos; o terceiro, o Centro Motor, encontra-se na parte superior da espinha dorsal; o quarto, o Centro Instintivo, encontra-se na parte inferior da espinha dorsal; e o quinto, o Centro Sexual, obviamente se encontra no sexo. Esses cinco Centros são básicos e indispensáveis, e deve-se aprender a manejá-los.

Sintetizemos um pouco: pensemos unicamente no Centro Intelectual, ou seja, no homem meramente intelectual; pensemos no homem emocional e pensemos também no homem motor-instintivo-sexual. Assim, sintetizando, creio que iremos nos entender, não é verdade? Agora, quanto ao homem intelectual, ele é o que cria os problemas de todo tipo.

Se vocês têm problemas, já disse que se resolvem esquecendo-os, que o importante não é resolvê-los, ao fim e ao cabo, senão dissolvê-los.

Então, como proceder? Pondo a trabalhar o Centro Emocional. Isso é o interessante, porque então o Centro Intelectual descansa e assim esquecemos o problema. E se quisermos trabalhar co qualquer outro Centro, poríamos a funcionar o Centro Instintivo-Motor, e isso já seria suficiente.

Aqui, neste bosque de Xochimilco [parque florestal muito famoso próximo à capital mexicana], estamos pondo a trabalhar o Centro Emocional e o Instintivo-Motor. Ao Emocional temos posto a trabalhar mediante a troca de impressões, de alegrias, e ao Instintivo-Motor o temos posto a trabalhar montando a cavalo, indo e vindo por este bosque, que é tão formoso.

Bem, estou dando a vocês a chave para dissolver os problemas, e isso é muito importante, não é verdade?

Se vocês me argumentarem que assim não se pode resolver, por exemplo, o pagamento de uma duplicata ou impedir que nos façam correr de casa por não pagar o aluguel, ou o pagamento de alguma dívida etc., eu lhes diria que os fatos são fatos e eles andam por si sós, porém que o problema é algo diferente. O problema é algo que a mente cria. Quando alguém o dissolve, o problema para ele deixa de existir.

As pessoas têm medo de resolver um problema, têm medo de esquecê-lo, e isso é muito grave. Pensam, por exemplo: “Se não pago o aluguel da casa, me expulsam, tenho de sair dela e então, para onde vou?” – eis aí o medo. Primeiro de tudo, tem-se de aprender a não temer, isto é o mais importante: Não Temer!

Quando termina com o temor, a vida reserva à pessoa muitas surpresas agradáveis. Às vezes, o que parecia insolúvel, torna-se solúvel, e o que parecia um problema demasiadamente difícil, resulta mais fácil do que tomar um copo d’água. De maneira que a preocupação ficaria sobrando, não é verdade?

A preocupação danifica a mente, a preocupação faz a mente fica engarrafada no problema. É claro que o problema – com seus dois polos, positivo e negativo –, que não é mais do que uma forma mental, cria conflito lá dentro, e então vem a preocupação, que danifica a mente e danifica o cérebro também.

Aprender a viver de instante em instante, de momento a momento, é o que eu lhes recomendo; aprender a viver sem preocupação de nenhuma espécie, sem formar problemas. Quando alguém aprende a viver de segundo em segundo, de instante em instante, sem projetar-se para o futuro e sem as cargas dolorosas do passado, vê a vida desde outro ângulo, a vê de forma distinta. Façam vocês o ensaio, eu os aconselho.

Ocorreu-me dialogar com vocês sobre isso, neste Bosque de Xochimilco, porque vejo muita gente contente, uns vão e outros vêm, montando a cavalo sob estes arvoredos. As pobres pessoas vêm fugindo dos problemas que, verdadeiramente, elas mesmas os criam. Porém, por mais que fujam, se não os esquecem, os problemas continuarão existindo.

Então, este é o conselho que lhes dou: que vocês nunca sintam temor por nada!

Agora, não quero lhes dizer com isso que não se deva fazer algo, que não se deve trabalhar, que não haja necessidade de conseguir dinheiro para a subsistência ou para pagar as dívidas etc. Tudo isso deve ser feito, porém sem criar problemas na mente.

Aprendam a manejar os Três Cérebros – o intelectual, o emocional e o motor – e vocês verão como mudam. Se houver preocupação emocional, mudem de centro: ponham a trabalhar o instintivo-motor, saiam a passear, montem a cavalo, caminhem que seja, porém façam algo distinto e verão que a vitalidade não se esgotará em vocês, o corpo físico se rejuvenescerá maravilhosamente etc. Esse, pois, é o conselho que lhes dou.

Ali na Ásia há um mosteiro budista muito interessante. Lá, os monges vivem 400 ou 500 anos porque sabem manejar o cérebro intelectual, o cérebro emocional e o cérebro motor. Quando se cansam do cérebro intelectual, utilizam o emocional; quando se cansam do emocional, utilizam o cérebro motor, e nessa forma eles mantêm a energia, não esgotam seus Valores Vitais.

Há quem creia que quando se vem ao mundo é porque nascem em uma data e hora determinadas; bem, nisso não tenho nada a discutir. Porém, ademais, pensa-se que se tem de morrer em determinada data e a determinada idade, e isso, sim, é algo discutível.

O que ocorre é que os Senhores do Carma entregam à pessoa um determinado capital da Valores Vitais, que são depositados nos cérebros intelectual, emocional e motor. Se a pessoa esgota qualquer um deles, morre muito rápido, porém se se conservam seus Valores, pode viver até a idade de 90 ou 100 anos, e ainda mais.

De maneira que o que se deve fazer é aprender a manejar os três cérebros. Entendido?

Compreendam por que lhes falo do homem intelectual, do homem emocional e do homem instintivo-motor. Aprendam, pois, a manejar seus três cérebros em perfeito equilíbrio, e verão que, sim, podem conservar seus valores vitais e viver uma longa vida.

Isso é semelhante ao homem que sai a viajar com determinada quantidade de dinheiro. Se desperdiça o dinheiro, não chegará ao fim da viagem, porém se o conserva, não só chega ao fim da viagem, mas que, ademais, tem com que pagar um magnífico hotel e regressar tranquilamente à sua casa.

Assim, repito, aprendam a manejar seus três cérebros, entenderam-me?

Vai-se morrendo, sempre, por partes. Que vocês observem que Franklin Roosevelt, por exemplo, começou a morrer quando contraiu a paralisia, ou seja, a paralisia de seu cérebro motor foi o começo que produziu, ao longo, a sua morte.

E quanto a outros, há os que morrem por causa do cérebro intelectual, abusam tanto do intelecto, têm tantas preocupações, que esgotam os Valores que estão nesse cérebro, e por aí começa, até que no fim morrem. Também há outros, como os artistas de cinema, que abusam do cérebro emocional. Por ali começa, até que ao final lhe afeta o coração e morrem.

Assim é a Humanidade. Que vocês não sigam por esse caminho. Aprendam a manejar seus três cérebros com perfeito equilíbrio, não desperdicem seus Valores Vitais e chegarão à ancianidade.

Samael Aun Weor, A Dissolução dos Problemas

  • Falar é fácil, entretanto quem ensina os caminhos ou técnicas para manejar os três cérebros?

  • David

    gostaria de saber como manejar o cerebro ou seja os 3 cérebros corretamente com mais exemplos obrigado

  • Itamar

    As vezes faço exatamente isso de esquecer tudo e viver como se estivesse num mundo paralelo… funciona mesmo, por exemplo, quando estou sofrendo muito por um problema tento esquece-lo ate o dead line chegar e dai vejo o que farei…
    Por outro lado, isso me deixa com um sentimento de irresponsabilidade, muitas vezes, imenso. Como posso resolver isso?

    • É durante a meditação corretamente praticada e o “não pensar” que o insight, a iluminação vinda diretamente do nosso Ser Interno Divino, nos dá a verdadeira resposta para a questão buscada.
      Meditar não é fugir das responsabilidades, mas anular a mente racional e buscar o vasto Oceano da Vida.

  • Thiago Santos

    Penso logo existo.

    • A existência real é quando NÃO PENSAMOS, é quando somente o Ser se expressa, principalmente na Meditação.
      Atinge-se o Satori, o Êxtase, quando a mente relaxa…

  • izaias j, de samtana

    muito bom

  • Zelia

    …e da vida nada se perde…tudo se transforma- Lavoisiere)
    Zelia

  • Zelia

    ….”e da vida nada se perde …tudo se transfroma”..
    (lavoisiere )
    zelia.

  • meu pai faleceu hoje ela gostava de ver pardidas de futebol sera que isso desgastou o centro emocional? poço chorar pela morte de um ente querido? poço acender velas,rezar,pra onde ele vai?desde ja agradeço a resposta amem.

    • Infelizmente, praticamente todos nós morremos sem a energia necessária para o despertar da Consciência.
      Triste realidade esta…

  • Cleber

    Uma pessoa que tenha desgastado o centro emocional pode recuperá-lo?

    • Há casos irreversíveis, e suas consequências na encarnação seguinte são cardiopatias, anomalias físicas etc. Porém, há casos que não são extremos, e com muito esforça é possível sim.
      Quando há desgaste do Centro Emocional significa que se desequilibrou também o corpo astral.
      Quando há desgaste do Centro Intelectual significa que se desequilibrou também o corpo mental.
      Etc.

  • kss

    O texto é muito interessante,achei incrível,pois tenho muita vontade de estudar e trabalhar na área .Para mim psicologia é uma área fascinante.

  • sam

    Muitas vezes o simples fato de desviarmos a atenção das preocupações que não encontramos solução, (tomando um cafézinho, escutando música suave, indo dar uma caminhada…) , é mais que suficiente para provocar o insight ( intuição ) do que necessitamos para resolver tal pendência…
    PAZ INVERENCIAL!

    • É verdade, Sam, eis aí que você captou o significado do texto. Não se quer ensinar a “fugir” dos problemas, mas de dar sua real importância, para que estes não se tornem maiores ou piores…

  • AGEPATRI

    Acho que a compreensao e mais ou menos assim dissolver os problemas mas honrar com as responsabilidades e isso?E como se pode trabalhar com os tres cerebros ha algum exercicio para isso,alem dos exmplos citados neste texto?

    • Estude o conceito intitulado Os 3 Fatores de Revolução da Consciência e você irá adquirir as técnicas necessárias para uma revolução integral de sua Alma, utilizando corretamente as energias dos 3 Cérebros…

  • Ótimo texto, veio em boa hora, estou meio desequilibrado fisicamente, emocionalmente e mentalmente.
    Obrigado ao grupo GnosisOnline!

  • Claudia

    não se identificar! eis o segredo!

  • Marcelo

    Incrível.

  • O que eu entendí sobre o texto, é que os seres humanos deve viver a vida com certa naturalidade,não criando problemas com a mesma por mais difícil que seja à
    provação, expiações e missão;não devemos identificar-se com fanatismo ou depressaão com os mesmos, aponto de perde-se com a razão emocionalmente, e vim a hóbito antes do tempo certo; foi o que ele disse nos exemplos do texto anterior.

  • Danila

    Texto interessante, porém, discordo quando você diz que uma pessoa começa a morrer quando não usa ou não pode usar o seu “cérebro motor”, como por exemplo, alguém com paralisia. Temos diversos exemplos de pessoas que mesmo paraplégicas seguiram com suas vidas, criaram coisas que jamais imaginavam criar antes, abriram negócios que deram certo, etc. Enfim, focaram na parte do “cérebro intelectual e emocional” já que não mais puderam usar a parte “motora” do mesmo.

    Acho que as pessoas começam a morrer a partir do momento que nascem… no entanto, concordo que devemos sempre buscar o equilíbrio no nosso dia-a-dia para termos uma vida melhor e mais saudável.

    • Fernanda

      Há casos e casos… Franklin Roosevelt contraiu paralisia porque abusou de seu centro motor, ou seja gastou demais os Valores deste centro. Há quem fique paralítico por causa de um acidente, é diferente… A pessoa não começa a morrer porque ficou paralítica; mas a paralisia, nesse caso é consequência do desgaste. Há quem não desgaste o cérebro motor e fique paralítico por outra causa: um acidente de carro. Neste caso, vive bastante porque ainda tem os Valores deste cérebro.

      • Fernanda, no texto não se quis dizer que uma pessoa deficiente física seja totalmente impotente para a vida. Mas para o trabalho interno se necessita de harmonia nos 3 Centros para o Trabalho Interno…

  • levi

    foi muito importante saber um pouco sobre este assunto,são coisas que vivemos e vivenciamos todos os dias,precisamos aprender à lidar com isto.

Confira também

Introdução aos estudos gnósticos

“A Gnose é um ensinamento cósmico que aspira