A Metagaláxia na visão gnóstica

0
1358

As teorias do cientista americano Edwin Powell Hubble, em 1929, levaram o mundo acadêmico a acreditar que o Universo estaria se expandindo. A maioria dos cientistas afirma que essa expansão se dá ao infinito, até que algum dia o céu fique absolutamente às escuras, pois todas as galáxias e supergaláxias se afastarão ao extremo entre si.

Alguns cientistas, na atualidade, brincam com a ideia de que, por algum motivo ainda desconhecido da Cosmologia teórica, o Universo tornará a se “recolher”, voltando aos dias do big-bang. E os estudos gnósticos, o que afirmam sobre isso? Vejamos o que o VM Samael Aun Weor tem a dizer sobre o tema do Universo em seu aspecto puramente material.

buraco cosmicoA Metagaláxia, ou todo o Universo FÍSICO, funciona como um coração; e em suas palpitações incessantes, condena a Matéria a sofrer notáveis contrações e dilatações.

Nós só percebemos o atual processo de dilatação mediante o estudo das variações das distâncias astronômicas.

Visto de fora do Tempo, o Cosmo é percebido como uma grande luz que se filtra continuamente por um ponto do Infinito, para logo reaparecer no Transfinito.

É como se o Cosmo escapasse por um buraco, para depois se converter em Ultracosmo.

E assim, sucessivamente, daqui para lá e vice-versa, este processo também está representado no Signo do Infinito, ou o Santo Oito. É que nosso Universo físico está sustentado em uma complicada rede, na qual se estende desde as Regiões Supradimensionais.

As Dimensões Superiores pertencem ao imperceptível, àquilo que analisamos com nosso Espírito, o que a Metafísica estuda.

Em verdade, o progresso das Ciências Físicas reside nas perscrutações das ocultas Regiões do Espírito, ainda que os cientistas o definam como simples “progresso materialista”.

Logicamente, o termo “Espírito” é também convencional. Porém, é indispensável dialeticamente; só serve para criar uma barreira entre as Regiões Superiores e as Inferiores.

O que denominamos “Físico” é, certamente, nossa percepção parcial do existente.

Os elétrons são, por exemplo, os minúsculos Átomos de Luz aprisionados entre a 5ª Dimensão e nosso Mundo Tridimensional. Para a ciência materialista representam só entidades corpusculares de difícil localização.

Em verdade, os elétrons e demais partículas subatômicas são Energias procedentes das Dimensões Superiores, intimamente ligadas com o processo dos elementos químicos, porém, que o homem resolveu alterar perigosamente.

Devemos saber que em cada uma das Regiões Hiperfísicas existem diferentes espécies de criaturas. Esses seres suprafísicos são verdadeiras concentrações de Consciência que a Natureza cria para a sua organização e seu desenvolvimento. São “torvelinhos de luz e de fogo” que perpetuam a Harmonia Cósmica.

Sabemos que as Hierarquias Cósmicas estabelecem a ordem evolutiva que leva à total espiritualização da Matéria, apesar das Forças Negativas que constituem o Caos inevitável do Abismo…
Samael Aun Weor

metagalaxia

SEM COMENTÁRIO